Substituto do desembargador Divoncir Schreiner Maran, aposentado após completar 75 anos, o juiz Waldir Marques deve ser o indicado para assumir a vaga no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

O magistrado é o com mais tempo de serviço, ficando à frente dos juízes José Eduardo Neder Meneghelli e Djailson de Souza por apenas um dia, conforme lista divulgada pelo órgão. Em dezembro do ano passado, Marques foi empossado como juiz-membro do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul).

Natural de Guararapes (SP), é formado pela de Direito de Araçatuba (1981), tendo advogado por 7 anos nos estados de São Paulo e Paraná. Ingressou na magistratura em 10 de janeiro de 1989, sendo titular em , Glória de , Costa Rica, , Dourados (onde atuou, também, como juiz eleitoral) e Campo Grande.

Completam a lista de cotados o juiz Cezar Luiz Miozzo, a juíza Sandra Regina da Silva Ribeiro Artioli e o juiz Alexandre Branco Pucci.

Afastamento e recondução

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, reconduziu o desembargador do TJMS, Divoncir Schreiner Maran, ao cargo em decisão no início do mês.

“Um reconforto, como um julgador há 43 anos, alguém cuidou com mais afinco na questão posta, e concedeu essa . Sou magistrado e respeito as decisões judiciais, no momento, talvez, foi uma decisão unilateral que não tive oportunidade de me defender, de contestar, contrapor aquilo que foi posto pela . Eu me aposento sábado, então, graças a Deus, o epílogo da minha carreira tem aquele, ao meu sentir, um final feliz. Por onde eu entrei pela porta da frente, estarei saindo pela porta da frente”, disse o desembargador após a decisão.

“Afastamento foi ilegal, simples assim; agora é cuidar de afastar as outras suspeitas descabidas”, se pronunciaram os advogados de defesa, André Borges e Lucas Rosa.

Afastado de suas funções desde fevereiro, o magistrado foi alvo da Operação Tiradentes, da Polícia Federal com a Receita Federal, ocorrida no último dia 8 de fevereiro.