Política / Transparência

Após 16 anos, tenente coronel é demitido da Polícia Militar de MS por estupro

O tenente coronel Márcio Villassanti Romero foi demitido da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul), segundo decreto assinado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e publicado no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (2). O agora ex-oficial é réu em ação que tramita sob sigilo por estupro que aconteceu em 2003, na cidade de […]

Evelin Cáceres Publicado em 02/05/2019, às 10h13 - Atualizado em 03/05/2019, às 09h17

Sede do comando geral da PMMS em Campo Grande (Foto? Arquivo/Midiamax)
Sede do comando geral da PMMS em Campo Grande (Foto? Arquivo/Midiamax) - Sede do comando geral da PMMS em Campo Grande (Foto? Arquivo/Midiamax)

O tenente coronel Márcio Villassanti Romero foi demitido da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul), segundo decreto assinado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e publicado no Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (2). O agora ex-oficial é réu em ação que tramita sob sigilo por estupro que aconteceu em 2003, na cidade de Jardim, a 239 quilômetros de Campo Grande.

Márcio Villassanti responde por ter saído com uma jovem e a levado para um local afastado, onde cometeu o crime, segundo os autos. A vítima procurou a polícia e fez o reconhecimento do coronel 16 anos atrás. Em 2009, o ex-oficial da PMMS foi condenado pelo crime a 14 anos de prisão, mas recorreu e a sentença foi reduzida para oito anos e dois meses.

Em 2011, o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) chegou a absolvê-lo por quatro votos a três, em decisão à qual cabia recurso e que foi reformulada.

De acordo com o decreto, a demissão é realizada a pedido de ação judicial que tramita sob sigilo. O agora ex-oficial não terá direito a nenhum tipo de remuneração ou indenização, apenas tendo preservado o tempo de contribuição à previdência.

Jornal Midiamax