[BASTIDORES] Mudanças ainda incertas na Assembleia geram expectativa

Demissões em massa não atingiram gabinetes
| 01/04/2017
- 12:00
[BASTIDORES] Mudanças ainda incertas na Assembleia geram expectativa

Demissões em massa não atingiram gabinetes

Reforma

A mudança na estrutura pessoal da Assembleia Legislativa, que diminui 54 cargos em comissão da Casa, não atingiu os gabinetes dos deputados. Em 30 dias, o regulamento com atribuições e competências das funções será publicada.

De fora

Durante evento da UCV (União das Câmaras de Vereadores) dos três deputados estaduais presentes, apenas Lídio Lopes (PEN), que tem tido embates com a base governistas, ficou de fora da mesa de autoridades.

Lembrado

Apesar de ser lembrado no discurso do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), Lídio disse que desde o episódio em que disputou com Beto Pereira (PSDB) o comando da CCJ não foi mais convidado para conversar com o Chefe do Executivo.

Nem me lembre

Em um grupo de vereadores do interior durante o evento da UCV, ao revelar os partidos, os parlamentares lembrava os principais nomes da cada legenda. Mas, teve filiado do PP que não quis nem lembrar quem presidia seu partido no Estado.

Passeio

Perder privilégios do cochilo e até escapadinha do trabalho está fora dos planos de servidor público que, além de ganhar bem, pode fazer o que bem entende e a hora que quer.

Silêncio

 Após dedos apontados e ameaças de todos os lados pelo seu silêncio, quem perdeu emprego por deslize e falta de profissionalismo seu e do chefe segue sem se pronunciar.

Lembranças

O senador Waldemir Moka (PMDB) usou as redes sociais na sexta-feira (31), os 63 anos do Golpe Militar de 1964. “Bom lembrar para que nunca mais nos esqueçamos. Como estudante secundarista e depois como presidente do Centro Acadêmico de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul conheci muito bem esse regime de exceção”, postou o peemedebista.

Cobrança

O deputado federal Elizeu Dionizio (PSDB) revelou que ouviu do ministro da Casa Civil da Presidência da República, seu xará Eliseu Padilha (PMDB), de que o Governo Federal vai revogar o pagamento obrigatório do imposto sindical pelos servidores públicos.

Imposto

“O Palácio do Planalto considerou que os argumentos do deputado estão corretos e que a cobrança, autorizada no mês passado, no dia 17, por meio da Instrução Normativa nº 1, do Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, infringia a legislação. A instrução permite a cobrança da contribuição sindical – que é feita uma vez por ano e corresponde a um dia de serviço do trabalhador – pelos órgãos federais, estaduais e municipais”, explicou Dionizio. 

Veja também

'Quarteto Fantástico' de MS Prefeito de MS aproveita ano eleitoral para lançar o ‘quarteto de...

Últimas notícias