TRE mantém ação contra ex-candidato que difamou prefeito em busca da reeleição

Ex-candidato a prefeito de Três Lagoas tentava trancar processo no qual é acusado de distribuir jornal com matérias contra adversário
| 10/06/2022
- 18:32
Ex-candidato é alvo de ação por difamação na Justiça Eleitoral
Ex-candidato é alvo de ação por difamação na Justiça Eleitoral. (Foto: Arquivo)

Por unanimidade, o plenário do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) negou pedido de habeas corpus para trancamento de ação, mantendo processo por calúnia eleitoral contra Fabrício Venturoli Lunardi, ex-candidato a prefeito de Três Lagoas, a 334 quilômetros de Campo Grande, pelo Republicanos em 2020.

O julgamento do caso se deu em 7 de junho no plenário do TRE-MS, seguindo relatório do eleitoral Wagner Mansur Saad. Segundo a acusação, a campanha de Lunardi teria encomendado e distribuído jornais com conteúdo difamatório contra o prefeito Ângelo Guerreiro (PSD), que tentou a reeleição.

Os fatos foram descobertos por um denunciante que viu um homem jogar jornais nos quintais de algumas casas. A testemunha acionou a Polícia Militar, que foi até a casa da pessoa que distribuía os panfletos. Este confessou ter sido contratado para entregar os jornais e ganharia R$ 100 pelo serviço.

O contratante, conforme a decisão publicada no Diário de Justiça Eleitoral desta sexta-feira (10), foi Janivaldo dos Bernardes, que coordenou a campanha de Lunardi.

O caso foi remetido à Polícia Federal, que, com o Ministério Público Eleitoral, formalizou a denúncia em 10 de fevereiro deste ano. O caso foi recebido em primeira instância.

Ex-candidato alegou sofrer ‘injusta coação’

A defesa do ex-candidato alegou sofrer “injusta coação”, já que o jornal em questão foi discutido em outra ação, sendo apontado que não teria relação com sua campanha, nem autoria ou mando político. Além disso, alegou não haver provas sobre o envolvimento na distribuição de jornal com informações falsas.

Ex-candidato a prefeito de Três LagoasFabrício Venturoli Lunardi
Ex-candidato Fabrício Venturoli Lunardi não conseguiu trancar ação no TRE. (Foto: Divulgação)

Para o relator, porém, a denúncia que Lunardi tentou trancar não tinha falha em sua formatação, apontando acusação de difamação de adversário e a distribuição de jornais de cunho eleitoral “contendo matérias difamatórias em relação ao então prefeito e candidato à reeleição”.

Também foi negada a ausência de provas sobre o envolvimento do ex-candidato no episódio.

“Verifica-se que existem indícios razoáveis de autoria e materialidade suficiente para ampara a ação penal, não havendo se falar em ausência de justa causa, estando contidos na denúncia todos os elementos exigidos, além de suficiente demonstrado o vínculo entre os acusados na ação penal e os fatos imputados”, decidiu Saad.

O voto do relator foi seguido por unanimidade para que haja continuidade do processo. Cabe recurso. Lunardi, hoje, integra os quadros do União Brasil.

Veja também

Ataíde Feliciano da Silva perdeu mandato por acusação de compra de votos, ao fazer 2 doações de combustíveis a eleitores

Últimas notícias