Simone aposta em gestão municipalista e pede envio de recursos federais direto às cidades

A Senadora Simone Tebet (MDB) fez seu primeiro pedido como candidata oficial do partido ao governo estadual. Apostando na gestão municipalista, a ex-prefeita de Três Lagoas anunciou, durante a convenção do partido na manhã deste sábado (4), que deve ‘abrir mão’ de recursos que deveriam passar pelo crivo do Estado para repassar diretamente às 79 […]
| 04/08/2018
- 16:59
Simone aposta em gestão municipalista e pede envio de recursos federais direto às cidades
Simone aposta em gestão municipalista e pede envio de recursos federais direto às cidades
(Foto: Henrique Kawaminami)

A Senadora (MDB) fez seu primeiro pedido como candidata oficial do partido ao governo estadual. Apostando na gestão municipalista, a ex-prefeita de Três Lagoas anunciou, durante a convenção do partido na manhã deste sábado (4), que deve ‘abrir mão’ de recursos que deveriam passar pelo crivo do Estado para repassar diretamente às 79 cidades de Mato Grosso do Sul.

O pedido de Simone foi feito ao candidato à reeleição congressista, senador Waldemir Moka (MDB), que, diante da ausência da senadora, que estava prestes a assumir a presidência da Casa de Leis no lugar agora ocupado pelo parlamentar cearense Eunício Oliveira, pode ocupar cargo de Procurador no Senado, responsável por ‘facilitar’ a destinação dos recursos.

Emocionada, a filha do ex-senador Ramez Tebet lembrou de sua trajetória política como prefeita, deputada estadual, vice-governadora ao lado de André Puccinelli e, agora, como senadora, restando pouco mais de quatro anos para o fim de seu mandato.

Ela também comparou o momento político que vivenciava, quando completou seu primeiro mandato como prefeita de Três Lagoas, e decidiu disputar o Parque dos Poderes ao lado do ex-governador e ex-prefeito de Campo Grande por dois mandatos. “Meu sonho naquele momento era seguir na prefeitura”, disse.

Agora, no que pode se considerar seu ‘melhor momento’ político, Tebet confessa ‘abrir mão’ do sonho novamente, em busca do projeto maior da legenda para Mato Grosso do Sul, que é o retorno ao comando da governadoria. “Essa não é a primeira vez que abro mão de um sonho meu”, lembra.

Durante o evento, seis partidos aliados foram anunciados. PTC, PR, PRTB, DC, PHS e PSC, do recém anunciado vice-governador na chapa de emedebista, procurador . “Avaliando o cenário que nós temos, é uma medida urgente, de quem tem coragem e essa coragem não me falta”, disse o Harfouche.

Precário

Ao longo do evento, os companheiros de partido deixaram bem claro que não devem ‘abandonar’ o ex-governador. Com Simone não foi diferente. Com os olhos marejados e muito abalada, a senadora contou detalhes da rotina de Puccinelli, preso desde o último dia 20 de julho no Centro de Triagem de Campo Grande.

“André estava de chinelo, ao lado de 20 presos, toda carne que recebe no final de semana, frita e mantém na gordura para não estragar porque não tem sequer geladeira à sua disposição”, detalhou, emocionada.

 

Veja também

A sessão da Casa de Leis desta quarta-feira começa as 9h

Últimas notícias