Vereador deixa o PTdoB e se filia ao Rede Sustentabilidade

Eduardo quer exercitar independência no novo partido 
| 20/10/2015
- 14:06
Vereador deixa o PTdoB e se filia ao Rede Sustentabilidade

Eduardo quer exercitar independência no novo partido 

O vereador Eduardo Romero anuncia na manhã desta terça-feira (20), durante sessão da Câmara, a sua desfiliação do PTdoB para se filiar ao , presidido nacionalmente pela ex-senadora e candidata a presidente da República, Marina Silva.

Procurado pela reportagem, o vereador confirmou a mudança, justificando que trata-se de uma questão de identidade. “É um partido que tem a ver com meu histórico e ideal de futuro. O Rede tem tudo a ver com meu histórico e minha identidade. Minha primeira campanha foi pelo PV e eu sempre atuei na área da sustentabilidade. Na Rede posso exercitar minha independência e compromissos com a sustentabilidade”, justificou.

Eduardo também ressalta a dificuldade no PTdoB em temas que considera importante. Ele cita como exemplo a CPI do CIMI em Mato Grosso do Sul, salientando que é contra a criminalização da instituição, e a redução da maioridade penal, apoiada pela legenda. “Isso não foi discutido dentro do partido. Não temos esta discussão ideológica. Simplesmente votou a favor da redução por conta de um pensamento do presidente”, reclamou.

Com a saída de Romero, o PTdoB volta a ter três vereadores na Câmara: Flávio César, Otávio Trad e o suplente Eduardo Cury, que ocupa a vaga deixada pelo vereador Paulo Pedra (PDT), nomeado secretário de Governo de Alcides Bernal (PP).

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou a concessão de registro para a Rede Sustentabilidade no dia 22 de setembro, autorizando o partido a receber filiados e lançar candidatos para as eleições de 2016.

O Rede Sustentabilidade tem como líder a ex-senadora e ex-candidata a presidente do Brasil, Marina Silva. O partido teve o registro negado em 2013, por falta de apoio mínimo exigido por lei. Com a negativa Marina acabou se filiando ao PSB, onde disputou a presidência da República.

Veja também

O aumento dos valores é retroativo a abril e setembro do ano passado

Últimas notícias