As três irmãs que furtaram mais de R$ 211 mil de lojas situadas em shoppings de , se tornaram rés no processo. A decisão foi assinada pelo juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande.

Investigações revelaram que as irmãs, Juma Yara de Souza Silva, Maria Aparecida de Souza Silva e Maria Eduarda de Souza Silva – que moram no estado de – têm ficha criminal extensa por furtos em lojas de shoppings de diferentes cidades. Para entrar nos estabelecimentos, as mulheres decodificavam os códigos de segurança e invadiam o local após o horário de expediente. As irmãs foram presas em agosto. Dias depois, Maria Eduarda teve a liberdade provisória decretada.

A organização criminosa familiar ainda ostentava na internet após os furtos praticados. Foi descoberto nas investigações uma crescente no patrimônio das irmãs. Outras duas pessoas também fazem parte do grupo.

Furtos em Campo Grande

No dia 16 de junho deste anos, as irmãs furtaram 117 óculos de marcas renomadas. O prejuízo para o dono do estabelecimento foi de R$ 176.500. No dia seguinte, elas invadiram outro local de onde levaram 21 aparelhos de celular que equivalem a R$ 35 mil de danos ao dono do estabelecimento.

Na primeira semana após os furtos, a DERF identificou as irmãs e todo o trajeto realizado por elas, desde a chegada a Campo Grande, hospedagem, furtos das lojas, e, por fim, rodoviária da Capital de onde partiram para o estado de origem.

Foi possível constatar que as criminosas estão atuando em todo o país, sendo que nos últimos meses podem ter agido, além de Campo Grande, em Marília/SP (11/01/23), (01/02/2023), Porto Alegre/RS (12/04/23) e Olímpia/SP (09/06/23).

Dias depois dos furtos cometidos em Campo Grande,  as integrantes da mesma organização criminosa foram flagradas pelas câmeras de segurança do Shopping Palladium em Umuarama, Paraná, praticando furto à uma loja de eletrônicos com o mesmo modo de atuação, fugindo em seguida com diversos eletrônicos subtraídos.