O autor do assassinato de Luan de Oliveira Araújo, de 22 anos, na noite de quarta-feira (18), foi preso no fim da manhã de terça-feira (24) no mesmo bairro. A polícia apreendeu uma , droga e munições.

Segundo o delegado Christian Mollinedo, do 4º DP, os policiais faziam trabalho de inteligência quando encontraram e prenderam o autor na Rua Barreiras. Com ele, foi encontrado 1 kg de cocaína. O rapaz foi capturado e conduzido para a delegacia, lá ainda apresentou documento falso.

Com o auxílio de advogado, exerceu o direito de ficar em silêncio.

Após a prisão, a equipe policial foi até a casa dele e encontrou uma prensa de droga em forma de tijolo e mais dois quilos de cocaína, além de munições.

A polícia ainda apreendeu uma motocicleta para comparar com o veículo que aparece nas câmeras de segurança no dia do crime.

Ainda na residência, duas mulheres acabaram presas. Elas cuidavam da residência, sabiam que o imóvel era utilizado para venda de droga, tentaram ocultar e colaborar na fuga do autor.

Assassinato

A motivação para o crime seria uma rixa entre o rapaz e outro jovem. Outros dois jovens ficaram feridos a .

Uma provocação foi o estopim para o homicídio. “Se lembra de mim? Tira onda agora”, seria a frase dita pelo autor antes do assassinato de Luan, executado com mais de 10 tiros. O atirador ainda teria desferido mais três tiros de confere na cabeça de Luan.

Vestígio da execução no bairro (Nathalia Alcântara, Midiamax)

Imagens mostram execução

Pelas imagens é possível ver quando a motocicleta chega à rua e um dos homens desce e começa a fazer os disparos. Uma sequência de tiros é ouvida e comerciantes assustados correm para fechar as portas dos estabelecimentos.  

Testemunhas contaram que Luan estava em um grupo perto de uma creche na Rua Sambacuim, quando, por volta das 20 horas, dois homens, que estavam em uma motocicleta, passaram pelo grupo e fizeram vários disparos, acertando outros dois rapazes, sendo um deles no ombro e o outro no dedo da mão direita.

Os dois jovens feridos foram socorridos e levados para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) das Moreninhas. Um guarda metropolitano que estava de serviço em frente à creche ouviu os disparos e acionou os reforços para o local.

https://www.youtube.com/watch?v=06hshqAiwVA