Presos na tarde de sábado (29) pela morte de Vitória Caroline de Oliveira Honorato, de 15 anos, três homens foram autuados em flagrante pela ocultação de cadáver e responderão também pelo feminicídio. Sem velório, a jovem foi sepultada ainda na noite de sábado, em Ivinhema, a 291 quilômetros de Campo Grande.

Conforme as informações da Polícia Civil os três homens foram autuados em flagrante pelo crime de ocultação de cadáver, que tem pena de 1 a 3 anos. Eles também responderão pelo feminicídio, cuja pena vai de 12 a 30 anos de reclusão. Dois deles negaram participação no crime, enquanto o de 39 anos confessou.

O Jornal Midiamax apurou que foram presos o namorado de Vitória, Lucas da Silva Cordeiro, 23 anos, o vizinho Nilton Fernandes de Souza, 39 anos (contra quem havia mandado de prisão temporária), e ainda José Antônio dos Santos, de 60 anos. Os três envolvidos devem passar por audiência de custódia.

Nilton era vizinho de Vitória Caroline e segundo testemunhas viu a jovem crescer. Ainda conforme relato de moradores de Ivinhema, um dos presos teria inclusive participado das buscas pela jovem. Após notícia do desaparecimento, Polícia Civil, Polícia Militar, , além de vários amigos e familiares fizeram buscas pela adolescente.

Detido, o vizinho chegou a confessar participação no crime, alegando que ajudou na ocultação de cadáver. Ele ainda disse que o namorado teria matado a vítima por esganadura, por ciúmes. Ele também alegou que foi obrigado, junto com José, a ocultar o cadáver. Já os outros dois envolvidos negaram participação no crime.

A partir de um objeto com o cheiro da vítima, a cadela Laika, do Canil do Corpo de Bombeiros de Campo Grande, apontou a residência abandonada. A casa foi apontada como o local onde Vitória foi assassinada. Depois, segundo depoimento de Nilton, ele e os outros dois acusados se revezaram, levando a vítima até um brejo, onde o corpo foi encontrado.

O corpo da vítima foi encontrado já em avançado estado de decomposição, por conta da data da morte e também das condições climáticas. Apesar da suspeita de morte por esganadura, é aguardado laudo necroscópico. Também é investigado se a vítima sofreu alguma violência sexual.