Tayara Caroline Silva foi condenada a 22 anos de pelo assassinato da adolescente de 13 anos, Ingrid Lopes Ribeiro, que foi morta com golpes de machado e o corpo enterrado nos funfos da casa de Tayara. O crime aconteceu em janeiro de 2020.

O júri foi composto por três mulheres e quatro homens, segundo o site Chapadanse News. Foi negado para Tayra que recorra em liberdade, sendo o regime inicial fechado. O julgamentom ocorreu 2 anos após o assassinato. Tayara foi julgada por homicídio e ocultação de cádaver.

O assassinato

Ingrid foi morta com golpes de machado na cabeça. O corpo da adolescente foi enterrado nos fundos casa onde morava a acusada, e adolescente ainda teria ajudado a esfaquear a menina.

Segundo investigações da Polícia Civil o crime foi motivado por ciúmes de Tayara, já que Ingrid estaria se relacionando com o ex-namorado dela. Ela então planejou a emboscada para matar a adolescente, atraída até a casa e morta a golpes de machadinha e faca.

Mais de um ano após o crime, em março de 2021 Tayara foi presa por policiais civis de Cassilândia, através do SIG (Setor de Investigações Gerais). Ela chegava de de carona com um caminhoneiro.

Em depoimento, o adolescente que ajudou no crime contou que Tayara foi responsável pelos golpes de machadinha na cabeça de Ingrid e ele usou uma faca. O corpo foi deixado na casa por aproximadamente quatro dias.

A voltou ao local e enterrou Ingrid numa vala rasa. Uma denúncia anônima levou os policiais até a casa onde estava o corpo envolto num lençol. Sobre o buraco foi colocada uma “carriola” para dificultar a escavação.