Polícia

Dupla que simulou programa sexual para roubar e matar contador é condenada

Cada réu vai cumprir mais de 20 anos

Renata Portela Publicado em 13/04/2021, às 16h51

Dupla foi presa dias depois do crime
Dupla foi presa dias depois do crime - (Divulgação, PCMS)

Nesta segunda-feira (12), foi publicada a sentença de Paulo Roberto Mendes dos Santos, 20 anos, e Ryan Victor da Vera Cruz Teles, 21 anos, acusados da morte do contador Aparecido Ferreira da Silva, de 49 anos. O crime aconteceu no Tijuca, em março de 2020, quando a dupla teria matado a vítima para roubar o carro, após simular que fariam um programa sexual.

Conforme a decisão do juiz Roberto Ferreira Filho, datada de 9 de abril, Paulo foi condenado pelo latrocínio, ocultação de cadáver e tráfico, já que na prisão em flagrante foi localizada cocaína com ele. O rapaz foi sentenciado a 22 anos e 8 meses de reclusão em regime fechado.

Já Ryan foi condenado a 21 anos, também em regime fechado, pelos crimes de latrocínio e ocultação de cadáver.

Latrocínio

Conforme aponta a denúncia, no dia 24 de março os rapazes fingiram que fariam um programa sexualmediante pagamento de R$ 200 e, assim, atraíram Aparecido para a emboscada. A vítima já teria trocado mensagens com Ryan, que marcou o encontro já com a intenção de roubar o carro da vítima, um Celta, e vender na Bolívia.

Para isso, Ryan contou com a ajuda do vizinho, Paulo, que aceitou participar do crime. A intenção inicial seria de amarrar Aparecido até que conseguissem cruzar a fronteira, sem matar a vítima. No dia do crime, os três se encontraram e Ryan disse que teriam que dar uma carona para Paulo.

Ao chegarem em uma rua deserta, no Tijuca, Ryan anunciou o assalto com uma faca, mas acabou entrando em luta corporal. Aparecido foi ferido com uma facada e a dupla levou o corpo da vítima até uma estrada vicinal. No entanto, roubaram o carro e voltaram para a área urbana de Campo Grande, onde o carro começou a apresentar problemas mecânicos.

Após pedirem ajuda, eles acabaram denunciados. A dupla acabou identificada e presa e confessou o crime.

Jornal Midiamax