Em menos de 24 horas, cinco pessoas são presas por dirigir embriagadas

Casos aconteceram em MS
| 12/05/2018
- 13:11
Em menos de 24 horas, cinco pessoas são presas por dirigir embriagadas

Cinco pessoas foram presas em flagrante, em menos de 24 horas, por dirigiram sob efeito de álcool. Em um dos casos, em Anastácio – distante 134 km de Campo Grande -, um homem de 39 anos foi preso pela Polícia Militar, na madrugada deste sábado (12), após fazer ‘zigue-zague’, enquanto pilotava uma Honda HRT, na rua Manoel Murtinho.

Segundo a polícia, ele estaria cambaleando, em visível sinal de embriaguez e se negou a fazer o teste de bafômetro. Ele não tinha CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e confessou ter ingerido conhaque e cerveja.

Outro caso aconteceu na avenida Duque de Caxias, na vila Popular, região oeste da Capital.

Um homem de 35 anos, condutor de uma Biz, foi detido, após se envolver em um acidente, quando um veículo HR-V deu marcha ré para entrar em um estacionamento. O condutor teve escoriações leves pelo corpo, mas ainda assim foi levado à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento), onde foi autuado.

Outro motociclista de 38 anos também foi detido por embriaguez, na rua Hayel Bon Fakerm no jardim Água Boa, em Dourados, região Sul do estado. Ele se envolveu em um acidente, sem vítimas, e tentou fugir do local, mas foi contido por testemunhas.

À Polícia Militar, ele confessou ter ingerido ao menos 4 litros de cerveja e se recusou a fazer o teste de bafômetro. O condutor teve a CNH recolhida.

Outros dois condutores foram presos na sexta-feira (11), um de 45 anos e outro de 32. As prisões foram feitas em Bonito e em Arapuã, distrito de Três Lagoas. Vale lembrar que começou a valer, em 19 de abril, as novas regras aplicadas a motoristas que se envolverem em acidentes de trânsito com vítimas.

A partir de agora, quem cometer lesão corporal ou homicídio culposo no trânsito pode cumprir pela de 5 a 8 anos. Antes, a pena aplicada em casos de mortes no trânsito variava de 2 a 5 anos e lesão corporal de seis meses a dois anos. Também foi incluída possibilidade de suspensão ou perda do direito de dirigir.

Veja também

Pai do jovem alegou que ele não quer fazer tratamento psiquiátrico

Últimas notícias