Polícia

Delegacia da Mulher registra mais de 20 casos de violência doméstica por dia

Na última semana, 4 casos de feminicídio foram registrados

Renata Portela Publicado em 30/09/2015, às 15h10

None
img-20150930-wa0059.jpg

Na última semana, 4 casos de feminicídio foram registrados

Na manhã desta quarta-feira (30), as delegadas Roseli Molina, Anne Karine e Marília de Brito, da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) apresentaram quatro casos de feminicídio e feminicídio na forma tentada, que ocorreram nos dias 23, 24, 26 e 27 em Campo Grande. Duas pessoas foram presas e duas seguem foragidas.

No dia 23, Bruna Cristina da Silva, de 25 anos, foi vítima de esfaqueamento pelo ex-namorado, Anderson Rodrigues de Campos, de 22 anos. O casal manteve relacionamento por 5 meses, depois de se conhecerem pelo Facebook. A jovem já havia sido casada e se mudou para Angélica, para morar com Anderson. Após os 5 meses, Bruna terminou o namoro e voltou para Campo Grande, voltando também a morar com o ex-marido.

Na última quarta-feira, Anderson esperou Bruna ficar sozinha na casa e esfaqueou a jovem. A vítima estava grávida de 3 meses e perdeu o bebê. Ela já havia registrado boletins de ocorrência contra o ex-namorado, que foram encontrados na casa dela, pela Polícia Militar, no dia do crime. O último boletim de ocorrência registrado contra o rapaz foi feito um dia antes do esfaqueamento. Anderson foi localizado em Angélica no dia 24 e preso por tentativa de feminicídio.

Na quinta-feira (24), Isabel de Oliveira Almeida, de 40 anos, foi morta a tiros pelo marido, Valdemir Almeida de Araújo, de 27 anos. O crime ocorreu no Jardim Sayonara, região oeste da Capital. Na ocasião, Isabel foi atingida por 4 tiros, disparados por Valdemir. Os projéteis atingiram o abdome da vítima, que foi socorrida, mas morreu a caminho do hospital.

Contra Valdemir, que segue foragido, não havia registro de boletins de ocorrência, mas testemunhas afirmam que ele já havia agredido a mulher. No dia 26, sábado, Reine Cecília Rojas, de 64 anos, foi vítima de esfaqueamento pelo companheiro, Bruno Ortiz Troves, de 50 anos. Contra ele, também não havia nenhum registro policial, mas a polícia foi informada de que ele já tinha agredido a vítima em outras ocasiões.

Reine foi ferida por oito facadas e teve três órgãos perfurados. Após o crime, Bruno ainda ateou fogo na casa em que eles moravam, que foi totalmente destruída no incêndio. Ele tentou fugir, mas foi preso na manhã do dia seguinte, dentro de um ônibus, na BR-163, durante ação conjunta da Deam com a delegacia de Jaraguari. Reine segue internada na Santa Casa, em estado grave.

No dia 27, Epifânia Aquino, de 54 anos, foi esfaqueada pelo marido, Luiz de Lima, de 55 anos. Eles moravam na Rua João Francisco Damasceno, no Bairro Maria Aparecida Pedrossian, e ele atingiu a vítima com cinco facadas. Ela conseguiu fugir e pediu ajuda para um primo, que mora nas proximidades. Epifânia foi socorrida e levada para a Santa Casa, onde permanece internada em estado grave. Foi feito pedido de prisão preventiva contra Luiz, mas a Justiça ainda não se manifestou e ele segue foragido.

De acordo com a delegada Roseli Molina, titular da Deam, em todos os casos está caracterizada a intenção de matar, por isso, é descartada a possibilidade de que os autores do crime aleguem lesão corporal.

Estatísticas

Segundo Molina, de 100 a 115 mulheres procuram a Deam diariamente para registrar boletins de ocorrência. De janeiro até setembro deste ano, 5.500 boletins foram registrados, por violência física, psicológica e sexual. Ainda de acordo com a delegada, 70 casos de estupro foram registrados, além de 3 feminicídios e 14 tentativas de feminicídio.

A delegada orienta as mulheres vítimas de qualquer tipo de violência doméstica a perderem o medo e a procurarem a delegacia para denunciar os agressores. Ela ainda pede a quem tiver alguma informação sobre Valdemir ou Luiz, que estão foragidos, ligue para o 3304-7575, com garantia de anonimato.

Jornal Midiamax