MidiaMAIS

Há mais de um ano reclusa, Delinha comemora o retorno aos palcos de Campo Grande

O primeiro show presencial será realizado em homenagem no dia 11 de outubro, feriado que marca a divisão de Mato Grosso do Sul

Nathália Rabelo Publicado em 30/09/2021, às 16h41

Delinha diz que se sente feliz em voltar a cantar junto com os fãs
Delinha diz que se sente feliz em voltar a cantar junto com os fãs - Foto: Reprodução

Outubro será um mês de celebração para a Delinha, porque é a data que marca a volta da sua vida cantando em cima dos palcos. Após um ano e sete meses reclusa devido à pandemia de Covid-19, a eterna Dama do Rasqueado, que completou85 anos e já tomou as 3 doses da vacina contra o vírus, celebra o retorno dos seus shows presenciais para fazer o que mais ama: soltar a voz ao lado dos fãs.

A primeira apresentação de Delinha será realizada no dia 11 de outubro, no feriado que marca a divisão do estado de Mato Grosso do Sul, na concha acústica do Parque das Nações Indígenas. Na ocasião, a artista será homenageada pelo Governo de Mato Grosso do Sul pelos anos de dedicação à música e cultura que integram a história regional.

O show ainda vai contar com a participação de grandes clássicos da cultura sertaneja, como Tostão e Guarany, Aurélio Miranda, Castelo, Beth e Betinha e Celio Espindola.

“É bom porque agora eu vou ver as mesmas carinhas de antes. Faz tempo que eu não vejo ninguém. Não saio de casa, não faço mais nada e a gente tem vontade de ver as pessoas, os fãs que gostam tanto da gente que me dão muito apoio, força. Eu gosto de estar junto e abraçar, mas não vai poder, tem que ser de longe”, disse Delinha ao jornal Midiamax.

A agenda não para por aí. Delinha também vai estar na Praça Ary Coelho no dia 22 de outubro com suas canções clássicas que marcaram gerações. Depois de tanto tempo dentro de casa, o retorno dos shows também representa o alívio de quem trabalha com eventos.

Venda de pen-drives

Sem poder fazer shows, Delinha precisou encontrar um novo jeito de levar suas músicas para as pessoas. Foi então que ela teve a ideia de vender pen-drives com sua discografia completa para vencer o sufoco que passou durante esse tempo.

Detentora da maior discografia do Estado, a artista não podia sair de casa por fazer parte do grupo de risco.Com o encerramento das apresentações, sentia muita saudade de estar com o público e emocionar os fãs com sua voz. Além disso, as mudanças impactaram muito na sua vida financeira.

“Sem os shows a gente não ganha”, disse ela na época ao jornal. Foi com a venda dos pen-drives que Delinha conseguiu o sustento para pagar as contas de casa. No entanto, agora a carreira da cantora passa por uma nova fase devido ao retorno dos eventos, sempre tendo cuidado redobrado com as normas de segurança.

“A hora que a gente se ver tem que ser de longe, fazer o que. Depois a gente se abraça”, mandou o recado para os fãs.

Jornal Midiamax