Padre desiste de pintura e igreja de pedra deve virar patrimônio histórico

Pintura causou grande polêmica por 'descaracterizar' igreja
| 21/05/2015
- 01:29
Padre desiste de pintura e igreja de pedra deve virar patrimônio histórico

Pintura causou grande polêmica por ‘descaracterizar’ igreja

Após polêmica que tomou conta do município de Miranda, a 202 quilômetros da Capital, o padre parou a pintura e a obra do prédio da igreja matriz Nossa Senhora do Carmo, que deve ser tombada em breve.

O prédio faz parte de um conjunto de obras arquitetônicas com mais de duzentos anos de construção e causou polêmica no município após começar a ser pintado. Grupo do Facebook intitulado Amigos de Miranda se mostrou totalmente contra a descaracterização da igreja.

A revolta foi tanta que o empresário Aparecido Rojas Duarte protocolou denúncia no Ministério Público de Miranda. “É um absurdo, em vários Estados a arquitetura é preservada, como em Minas Gerais, Bahia, e aqui bem perto também, em Corumbá”, disse. 

O MPE-MS de Miranda confirmou que recebeu a denúncia, mas disse que a promotora responsável pelo caso só poderia falar pela manhã.

Providências

Já a ex-secretária de turismo do município, Maura Xavier Freire, veio até a Capital protocolar pedido para que a Fundação de Cultura tome alguma providência, o que foi garantido pelo secretário estadual de Cultura, Athaíde Nery.

“O processo de tombamento já está registrado no Iphan. Vamos acelerar esse processo e acompanhar o tombamento in loco e garantir que ele seja feito de forma regular, mantendo o estilo e tradição do prédio”, declarou.

A igreja foi construída em pedra sabão, material que não recebe pintura, apenas lavagem com material específico para não descaracterizar a construção original. 

“Somos contra reforma, a igreja precisa de preservação e restauração. Ela tem um grande valor histórico e cultural para Miranda e Mato Grosso do Sul. Os membros da igreja não têm o direito de descaracterizar o prédio só porque são voluntários”, ressalta.

Maura frisa que a população está se mobilizando. Lei municipal que protege os patrimônios históricos e culturais do município foi aprovada e sancionada pela prefeita Juliana Pereira de Almeida (PT). 

Sem respostas

O Jornal Midiamax falou com a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Segundo funcionários, o padre não pode falar porque estava visitando enfermos. A Diocese de Jardim, responsável pela igreja, também não respondeu, alegando que só pode passar informações na quinta-feira.

Veja também

Comerciante de MG alega ter sido vítima de golpe após comprar um curso, promovido pela influenciadora

Últimas notícias