A última fornada da Kombi fabricada pela Volkswagen em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, passou longe dos brasileiros. Segundo o jornal britânico Daily Mail, as unidades derradeiras do modelo, produzidas até dezembro no Brasil, desembarcaram no último dia 10 no Porto de Southampton, na Grã-Bretanha. O lote, com 99 unidades da Kombi brasileira, todas com carroceria branca, foi encomendado pela Danbury Motorcaravans, empresa de Bristol especializada em transformar as vans da VW em motorhomes.

Ainda de acordo com o Mail, 20 unidades já haviam sido reservadas por clientes da Danbury antes mesmo de deixarem o Brasil. Cada um desembolsou 35.000 libras pelas vans (cerca de 135.000 reais – 50.000 reais a mais que o cobrado pela Last Edition, edição de despedida que teve 1.200 unidades produzidas). A Danbury é a maior empresa de customização de vans da VW da Grã-Bretanha.

Lá, os veículos são personalizados e, além de cores externas chamativas e rodas de liga leve, as Kombis podem receber vários itens, como estepe na dianteira, teto expansível, fogão e pia em aço inox, acabamento interno em madeira, bomba d’água, freezer, rádio com CD player, tomada de 240 V e bateria extra. A lista oferece ainda revestimento de couro nos assentos, aquecimento interno, tratamento anticorrosão e conectividade para iPod. De acordo com a Danbury, o custo para passar a direção do lado esquerdo para o direito é de aproximadamente 4.000 reais.

A Kombi deixou de ser fabricada no Brasil no último dia 19 de dezembro após 56 anos de produção ininterrupta. Ela sucumbiu à obrigatoriedade de abrigar freios ABS e airbags nos carros novos, que passou a valer neste ano. A VW alegou que a instalação desses equipamentos seria inviável economicamente. A Kombi brasileira era baseada na segunda geração do modelo, conhecido como T2 na Alemanha e descontinuada ainda na década de 1970. A versão atual vendida na Europa é a T5.