A aviação israelense lançou na madrugada desta sexta-feira (19, no horário local) quatro ataques contra a Faixa de Gaza, que deixaram um morto e quinze feridos, informou uma fonte médica palestina.

Um adolescente palestino morreu nos bombardeios, que atingiram uma casa na cidade de Gaza, prédios dos serviços de segurança na mesma zona, o leste da cidade de Khan Yunis e o sul da Faixa de Gaza.

Um porta-voz militar israelense, contactado pela AFP, não desmentiu nem confirmou os ataques.

A ação ocorre após o triplo atentado contra o balneário de Eilat, no sul de Israel, no qual morreram oito israelenses e sete terroristas.

Mais cedo, a aviação israelense havia bombardeado a cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, matando seis palestinos.

Um helicóptero israelense também matou um militar e dois guardas egípcios na noite de quinta-feira (18) ao disparar contra militantes palestinos que fugiam pela fronteira entre o Egito e a Faixa de Gaza.

Os três foram mortos quando o aparelho israelense disparou um míssil contra militantes palestinos que eram perseguidos após os atentados em Eilat, revelou um oficial do Egito.

O ataque aéreo, próximo à passagem de fronteira na zona da cidade de Rafah, feriu ainda dois policiais egípcios, segundo a agência oficial Mena.

Já a TV estatal egípcia informou que o ataque ocorreu ao sul de Rafah, na zona da localidade de Taba, a 12 km da cidade de Eilat.

“Um aparelho israelense que perseguia infiltrados do outro lado da fronteira disparou quando chegaram a Rafah. Havia vários membros da Segurança Central (egípcia) no local e foram atingidos pela explosão”, revela a agência Mena.

O “aparelho” israelense foi identificado como um helicóptero Apache que perseguia os combatentes que atacaram dois ônibus, um automóvel civil e um veículo militar em Israel.