Porto Murtinho (MS) e Carmelo Peralta (PY). 


devido ao mau tempo, o presidente Jair Bolsonaro não esteve presente e a nota data prevista ficou marcada para o dia 21 de janeiro de 2022. 

O prefeito de Porto Murtinho, (PSDB) disse ao Jornal Midiamax que as obras devem começar em breve. “A questão da ponte demorou demais por conta da ordem de serviço para a construção da ponte mais a ordem de serviço da licitação da BR -267 até a ponte. Só nesse trecho são 14 km e no meio terá o Centro Aduaneiro, onde vão instalar diversos órgãos públicos”, explicou. 

Construção da ponte deve gerar ao menos 5 mil empregos na região, diz prefeito. Foto: Marcos Ermínio/Jornal Midiamax

Com as obras, Cintra ressalta que a expectativa é de ao menos 5 mil de emprego.  “Esse projeto vai gerar muito emprego e renda para milhares de pessoas e é algo muito importante para Porto Murtinho, uma cidade empreendedora. Nós fizemos convênios também de capacitação das pessoas, principalmente para melhorar o conhecimento, ter mão de obra qualificada e incluir estas pessoas neste projeto e não somente gente de fora. Será um grande projeto”, finalizou. 

Ponte bioceânica

A Ponte Bioceânica terá um comprimento de 680 metros, duas pistas de rolagem de veículos de passeio e caminhões, com 12,5 metros de largura, e duas passagens nas laterais, com 2,5 metros cada uma, para o trânsito de pedestres e ciclistas. 

O valor contratado para a obra é de 616.386.755,744 guaranis, o que equivale a quase meio bilhão de reais, a serem pagos pela Binacional. As empresas vencedoras terão 1.080 dias para concluir o empreendimento.

Entre outros detalhes, a ponte foi pensada para não atrapalhar as embarcações, terá ciclovia e um projeto antissuicídio.

Letreiros na cidade colocam Porto Murtinho (MS) como “porta de entrada” para a rota bioceânica. Foto: Marcos Ermínio/Midiamax

Segundo o engenheiro e assessor especial da diretoria e coordenação executiva da Itaipu na margem do Rio Paraguai, Benitez Estigarribia Pompilio, a ponte será majestosa. Ele ressalta ainda que a Itaipu financia o projeto e explica como funciona o antissuicídio. “É a colocação de barreiras recobertas com material antissuicidante e bastante curvatura para quem tenta subir e se atirar não consiga”.  O sistema é semelhante à ponte de La Amistad.

Além disso, a ponte vai ter iluminação de primeira qualidade e sensores elétricos. “Os sensores vão ser utilizados para controlar como está se comportando cada ponto da ponte e verificar qualquer possível falha em cabos que em seguida já vai ser corrigida”.

Conforme Benitez, a ponte da Rota Bioceânica vai ter 22 metros acima do rio, para não atrapalhar a logística. “É um projeto desde 2006, envolvendo 600 pessoas de forma direta e hoje é uma realidade”, ponderou.