Declarações do Imposto de Renda de última hora sobrecarregam contadores em MS: 'sempre tem'

Entregar declaração do Imposto de Renda fora do prazo gera multa de no mínimo R$ 165
| 31/05/2022
- 07:00
Imposto de renda
Imposto de Renda pode se tornar complicado (Foto: Stephanie Dias/ Jornal Midiamax)

O prazo para a entrega das declarações do IRPF (Imposto de Renda de Pessoas Físicas) está terminando nesta terça-feira (31) e muitas pessoas ainda deixam para prestar contas ao Leão na última hora, deixando os contadores — principais profissionais procurados para o serviço — 'atolados' de trabalho.

Conforme o contador Elias Guerra, muitos adiam a entrega do 'imposto' e não aproveitam os três longos meses de prazo que a Receita Federal dá. "Como trabalho com horário agendado, 95% dos meus clientes já fizeram [a declaração do Imposto de Renda], porém sempre tem aqueles que deixam para última hora", relata ao .

Outros profissionais foram contatados pela reportagem, mas tamanha era a demanda, que as respostas eram sempre nesta linha: "Estou com muitas declarações ainda a entregar. Talvez a noite eu consiga te responder".

Apesar das orientações para não deixar para a última hora e mesmo com certo volume de trabalho, Elias garante que sempre aceita a demanda dos 'atrasados'. Vale ressaltar que a Receita Federal aumentou o prazo, que passou de 29 de abril para 31 de maio.

É importante juntar os documentos e preencher o IRPF com antecedência, já que o processo pode se tornar complicado por ser muito detalhado. O alerta vale para todos, mas principalmente aos que fazem a declaração por si só. Caso surjam dúvidas, a pessoa pode pesquisar ou procurar ajuda profissional com tempo hábil.

Quem perder o prazo, paga multa

multa para quem perde o prazo de envio é de 1% ao mês sobre o imposto devido. O valor mínimo é de R$ 165,74, podendo chegar, no máximo, a 20% do imposto de renda. Além da multa, quem não entregar a declaração no prazo enfrenta restrições. Inicialmente, é feita a inclusão do CPF em uma condição de irregularidade. Com isso, o cidadão não pode fazer empréstimo em bancos ou prestar público, por exemplo.

A 24 horas de terminar o prazo para as declarações do IRPF em MS, 49 mil ainda não haviam realizado o envio de documentos na segunda-feira (30). De acordo com o delegado da Receita Federal, Clóvis da Cunha Neto, são mais de 478 mil as declarações a serem feitas no Estado.

Ao todo, 428.854 pessoas já declararam, um total de 30 declarações por minuto em média. Mesmo assim, não há precisão de congestionamento para as horas finais da declaração do imposto no Estado.

Bicho de sete cabeças?

O Jornal Midiamax já havia publicado que o Imposto de Renda ainda gera muitas dúvidas nas pessoas, já que são vários detalhes e novas regras são implantadas todos os anos. Este fato faz com que muitos procurem a ajuda profissional, mesmo que de última hora.

“Existem também declarações que são bem fáceis de fazer, as pessoas às vezes têm uma única renda, tem poucas despesas, tem poucos bens para declarar então isso torna-se menos complexo”, explicou o presidente do CRC-MS (Conselho Regional de Contabilidade de MS), Otacílio Nunes.

“Já as pessoas que fazem aplicações em bolsas, que têm movimentações de bens e valores, como compra e venda de bens móveis e imóveis, aplicações financeiras, mais de uma fonte de renda, isso já começa a gerar uma certa complexidade”, exemplificou o profissional.

Também deixam mais complicada a declaração do IRPF a venda de bens com apuração de ganho de capital, compra e venda de ações em bolsa (Day Trade Swing Trade), possuir criptoativos, declaração conjunta ou separada de cônjuges, por exemplo.

“Reformas de bens imóveis alteram o valor do bem imóvel que é declarado pelo valor histórico de compra”, citou Otacílio.

Restituição do Imposto de Renda

Receita Federal paga na terça-feira (31) o primeiro lote de restituição do Imposto de Renda 2022. O pagamento vai ser feito para 3,3 milhões de contribuintes (3.383.969, precisamente) em 31 de maio.

O calendário de restituição do Imposto de Renda prevê o pagamento em cinco lotes, de maio a setembro. O segundo lote será pago em 30 de junho; o terceiro, em 29 de julho; o quarto, em 31 de agosto, e o último em 30 de setembro.

Veja também

Especialista explica importância de ensinar sobre a educação financeira desde cedo

Últimas notícias