De janeiro a setembro de 2022, Mato Grosso do Sul registrou 43.535 tentativas de fraudes contra consumidores, especialmente entre clientes do segmento de bancos e cartões. Os dados integram levantamento feito pelo Serasa Experian.

Na segunda posição, tentativas de golpe relacionadas a financeiras são as que mais se repetem. Na sequência, aparecem o setor de serviços e telefonia. 

Em âmbito nacional, o Estado ocupa a 17ª posição no ranking dos Estados com maior número de crimes do time. Ao todo, o País soma 3.046.294 tentativas de fraudes de identidade contra o consumidor, o que representa média de uma tentativa a cada 8 segundos. 

Entre as vítimas, pessoas com idade entre 36 e 50 anos foram as que mais sofreram investidas dos criminosos. Em segundo lugar, estão consumidores de 26 a 35 anos, seguidos do grupo de 51 a 60 anos e acima de 60 anos.

“Superar as 3 milhões de tentativas de fraude em nove meses do ano é um cenário bastante expressivo porque é preciso considerar que ainda temos períodos em que os golpistas costumam intensificar suas ações, como a Black Friday e o Natal. Por isso, o consumidor precisa ter cuidado redobrado e desconfiar de ofertas milagrosas, sites desconhecidos e não clicar em links estranhos, por exemplo”, alerta o diretor de Produtos de Autenticação e Prevenção à Fraude da Serasa Experian, Caio Rocha.

Confira algumas dicas para não cair em golpes:

  • Inclua suas informações pessoais e dados de cartão se tiver certeza de que se trata de um ambiente seguro.
  • Desconfie de ofertas com preços muito abaixo do mercado. Nesses momentos, é comum que os cibercriminosos usem nomes de lojas conhecidas para tentar invadir o seu computador. Eles se valem de e-mails, SMS e réplicas de sites para tentar pegar informações e dados de cartão de crédito, senhas e informações pessoais do comprador.
  • Atenção com links e arquivos compartilhados em grupos de mensagens de redes sociais. Eles podem ser maliciosos e direcionar para páginas não seguras, que contaminem os dispositivos com vírus para funcionarem sem que o usuário perceba.
  • Cadastre suas chaves Pix apenas nos canais oficiais dos bancos, como aplicativo bancário, Internet Banking ou agências.
  • Não forneça senhas ou códigos de acesso fora do site do banco ou do aplicativo.
  • Não faça transferências para amigos ou parentes sem confirmar por ligação ou pessoalmente que realmente se trata da pessoa em questão, pois o contato da pessoa pode ter sido clonado ou falsificado.
  • Monitore o seu CPF com frequência para garantir que não foi vítima de qualquer fraude do Pix.