A vacina da dengue, aplicada de forma pioneira em Mato Grosso do Sul e com eficácia global de 80,2%, começa a ser distribuída em todo o Brasil no mês de fevereiro. No último dia 21 de dezembro, o Ministério da Saúde já havia incorporado o imunizante ao SUS (Sistema Único de Saúde) e, para surpresa de muitos, Dourados, na região Sul do Estado, foi a primeira cidade a receber cerca de 150 mil doses para as pessoas entre 4 e 59 anos, de forma gratuita.

Composta por quatro diferentes sorotipos do vírus causador da doença, conferindo ampla proteção, a vacina da Takeda Pharma Ltda foi aprovada por meio da Resolução RE 661/23, contando com a participação de pesquisadores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), da Faculdade de Medicina de Campo Grande e do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, sob a coordenação da médica pediatra Ana Lúcia Lyrio Oliveira, que esteve presente durante todo o estudo – fase 3 – quando se verificou a eficácia e as reações adversas da vacina.

A reportagem do Jornal Midiamax apurou que o estudo teve início em 2016 e, além de Ana Lúcia, também contou com a participação de três professores médicos, quatro alunos da pós-graduação em Doenças Infecciosas e Parasitárias, três acadêmicos e três residentes de infectologia. Além disso, também foram contratados profissionais da Fapec (Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura).

Na ocasião, ainda de acordo com Ana Lúcia, houve um teste com voluntários, de 4 a 17 anos, se tornando um “aprendizado imenso” para a pesquisa clínica. De um lado, os profissionais ressaltaram o rigor do método científico, enquanto os alunos aprenderam, na prática, a aplicar a metodologia científica.

Para quem é destinada a vacina?

A vacina Qdenga é destinada para pessoas de 4 a 60, sendo aplicada de forma subcutânea em esquema de duas doses, com intervalo de 3 meses entre as aplicações.

Além de três centros de pesquisa no país e a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a vacina também foi avaliada pela EMA (Agência Europeia de Medicamentos), recebendo recomendação positiva. A comercialização então foi aprovada pela União Europeia no dia 20 de dezembro de 2022.

Agora, com a concessão da comercialização do produto no país, a vacina segue sujeita ao monitoramento de eventos adversos. Antes, já estava em circulação a vacina Dengvaxia, mas, esta só podia ser utilizada por quem já teve dengue.

Qual é a eficácia da vacina?

(Foto: Rogério Vidmantas, Prefeitura de Dourados)

A eficácia global da vacina é de 80,2%, calculado a partir da comparação dos resultados dos voluntários que receberam a dose e dos que receberam placebo, para todos os quatro sorotipos, além dos casos de dengue identificados, sejam eles soropositivos ou soronegativos.

No entanto, a eficácia contra a dengue, para todos os sorotipos combinados entre indivíduos soronegativos (sem infecção anterior pelo vírus da dengue) foi de 66,2%. Já para os indivíduos soropositivos (indivíduos que tiveram infecção anterior pelo vírus dengue), esse valor foi de 76,1%.

Individualmente, ainda conforme divulgação da UFMS, a eficácia calculada contra o sorotipo DENV-1 foi de 69,8%, contra o sorotipo DENV-2 foi de 95,1% e contra o sorotipo DENV-3 foi de 48,9%. Para o sorotipo DENV-4, o reduzido número de casos identificados durante os estudos não permitiu estabelecer um resultado de eficácia de forma estatisticamente relevante.

Adicionalmente, no caso específico da DENV-3 o resultado de eficácia para indivíduos soronegativos não se mostrou satisfatório.

Vacinação em massa em Dourados

A ação inédita começou na última quarta-feira (3), em Dourados, a 229 km de Campo Grande. A vacinação em massa é desenvolvida pela Sems (Secretaria Municipal de Saúde), em parceria com o laboratório, que garante a imunização por até cinco anos.

Conforme a prefeitura de Dourados, o laboratório já entregou cerca de 90 mil doses à Sems e o Núcleo de Imunização. Para receber a primeira dose da vacina, basta se ir à unidade de saúde mais próxima, com documentos como CPF e carteirinha do SUS. O imunizante também já está disponível na rede privada de saúde.

Vacina contra dengue em todo o Brasil

(Rogério Vidmantas/Prefeitura de Dourados)

Ao falar sobre o assunto, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, ressaltou que a estratégia sobre o quantitativo de vacinas será definida pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações) e pela CTAI (Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização). Juntos, os órgãos vão ter como prioridade de aplicação o público alvo prioritário e regiões com maior incidência da doença

Ainda de acordo com Trindade, a definição dessas estratégias ocorrem neste mês de janeiro. Por parte do laboratório, a previsão é que, neste ano de 2024, sejam entregues 5,082 milhões de doses.