A Semed (Secretaria Municipal de Educação) confirmou a ocorrência de casos da doença mão-pé-boca nas matriculadas nas Emeis (Escolas Municipais de Ensino Infantil) de Campo Grande, nos primeiros meses de 2023.

Segundo a secretaria, a doença é muito comum na infância, principalmente nos primeiros anos de vida. “Se trata de um vírus infantil comum, que causa feridas na boca e erupções nas mãos e nos pés”, explica, em nota, sem detalhar quantidade de casos.

Doença atinge crianças nas creches

Além de enfrentar surto de doenças respiratórias em Campo Grande, crianças também estão enfrentando contaminações de mão-pé-boca. A alta de casos se dá mesmo após seis meses do alerta da SES (Secretaria Estadual de Saúde) sobre surto da doença em Mato Grosso do Sul. A doença contagiosa é causada pelo vírus Coxsackie, da família dos enterovírus, e pode provocar aftas na boca e lesões nas mãos e nos pés.

A funcionária de uma creche na Capital, que não quis se identificar, afirmou que o surto do ano passado pegou os colaboradores da escola de surpresa, mas depois que começaram a conhecer a doença sabiam como proceder. “Esse ano está sendo muito tranquilo, mês passado mesmo foram pouquíssimas crianças do berçário que pegaram. Assim que identificam a doença, os pais levam na UPA e a criança se recupera em casa”, comenta a funcionária.

Uma contou ao Jornal Midiamax que sua filha de um ano e três meses pegou recentemente a doença na Emei onde estuda. Os primeiros sintomas a manifestar na menina foram febre e o aparecimento de algumas bolinhas.

Quando a mãe da menina a levou à escola, na segunda-feira (11), foi alertada da possibilidade da doença. Pelo menos quatro crianças da creche contraíram mão-pé-boca. O pediatra orientou a mãe de que o vírus pode transmitir até sete dias do início dos sintomas.

De acordo com o médico pediatra, Alberto Cubel, o contágio da doença pode se dar através do contato direto por saliva e fezes. A transmissão inicia antes mesmo da criança apresentar os sintomas e pode durar algumas semanas. Alguns casos podem necessitar de hospitalar e raramente a doença leva ao óbito. “Geralmente tem boa evolução com remissão dos sintomas em cerca de 10 a 14 dias”, explica.

Recomendações e tratamento da doença mão-pé-boca

O pediatra explica que a criança diagnosticada com mão-pé-boca deve permanecer em repouso, se alimentar apenas com alimentos líquidos, se hidratar bastante, e com recomendação médica fazer uso de analgésicos. “Em casos complicados, podemos usar imunoglobulina e até antivirais específicos, mas são reservados para tratamento hospitalar”, alerta.

A prevenção maior, segundo o médico, é evitar o contato da criança que tenha manifestado sintomas, com crianças sãs. A Gerente Técnica Estadual de Doenças Agudas e Exantemáticas, Jakeline Miranda Fonseca, também explicou ao Jornal Midiamax que é recomendável para quem for ter contato com a criança, lavar as mãos após a troca de fraldas e o uso de lenços, e fazer o descarte em lixo fechado.

Se a criança for maior, lavar as mãos dela com água e sabão também. Fazer o uso de etiqueta respiratória ao tossir ou espirrar – cobrir a boca com um lenço ou o antebraço. E evitar beijar a criança.

Tanto em casa quanto no ambiente escolar, a recomendação é higienizar a superfície, objetos, principalmente, os brinquedos ou maçanetas que possam ter contato direto com a saliva e secreções e até fezes. O ideal é usar um pouco de água sanitária diluída em água para fazer a desinfecção do ambiente. Recomenda-se também não compartilhar mamadeiras, talheres, copos ou lençóis.