A vacinação deve ser um dos principais serviços afetados pela greve dos trabalhadores da municipal, que cruzaram os braços a partir desta segunda-feira (27). De acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), os atendimentos de urgência e emergência nas unidades de saúde devem ocorrer normalmente na Capital. 

Porém, o impacto da greve deve ser sentido na Atenção Primária, “em alguns procedimentos, como vacinação, por exemplo, serão temporariamente suspensos”, informou em nota a pasta. 

Questionada sobre como ficará a vacinação na Capital, a Sesau afirmou que a paralisação da imunização deve ocorrer em todas as unidades de saúde e o órgão estuda como organizar o fluxo de atendimento. 

Até esta segunda-feira, 50 locais oferecem vacinas contra em , além de outros imunizantes. 

Por que a enfermagem de Campo Grande entrou em greve?

Os e técnicos em enfermagem ligados à Prefeitura Municipal de Campo Grande decidiram entrar em greve após assembleia geral do Sinte/PMMCG (Sindicato dos Trabalhadores Públicos em Enfermagem de Campo Grande), na última quinta-feira (23). 

A categoria solicita à Prefeitura de Campo Grande a negociação sobre o adicional de insalubridade, enquadramento no Plano de Cargos e Carreira da categoria e implementação do Piso Nacional da Enfermagem.

Segundo Ângelo Macedo, presidente do Sinte/PMCG, a greve respeita a legislação e apenas 30% dos trabalhadores continuam em atividade, enquanto 70% paralisam. Até às 8h de hoje, o atendimento à população seguia normalmente nas unidades de saúde, com previsão de início da greve às 10h.

Em agenda pública na última sexta-feira (24), a prefeita Adriane Lopes (Patriota) disse que a negociação para o reajuste do teto ainda está em andamento e enxerga como um direito da categoria.