Com a nomeação da nova secretária nacional de vigilância em saúde, Ethel Maciel, órgão ligado ao Ministério da Saúde, a expectativa da SES (Secretaria Estadual de Saúde) é de regularizar o estoque de vacinas zeradas o mais rápido possível. 

Conforme noticiado na última quinta-feira (5) pelo Midiamax, Campo Grande não possui imunizantes da Astrazeneca e Janssen e tem apenas 10 unidades da Coronavac e 130 da Pfizer infantil disponíveis nas unidades de saúde.

De acordo com a secretária-adjunta da SES, Crhistinne Maymone, todas as cidades possuem vacinas contra a Covid-19, mas a pasta aguarda posicionamento do Ministério da Saúde sobre novos repasses. 

Ethel Maciel, na manhã desta sexta-feira, afirmou que o Ministério negocia a antecipação da entrega de vacinas da Pfizer previstas para o fim de janeiro, especialmente as do público infantil que estão zeradas. 

O estoque para o público acima de 12 anos está abastecido e deve passar por ajustes de distribuição.

Vacinas Bivalentes

As vacinas bivalentes são capazes de proteger contra a cepa original do Coronavírus e contra a variante da Ômicron, até então a mais transmissível da doença. 

“Há tratativas do Ministério da Saúde sobre o repasse de vacinas bivalentes em abril. Estamos aguardando, pois será um reforço para a imunização em Mato Grosso do Sul”, afirma a secretária-adjunta da SES.

Crhistinne Maymone fez um apelo para que os sul-mato-grossenses continuem se protegendo, especialmente o grupo de risco, como imunossuprimidos, idosos e pessoas com comorbidades. Medidas como completar o esquema vacinal, uso de máscaras e álcool em gel e evitar aglomerações podem reduzir o risco de se contaminar.

“Várias pessoas estão sem completar o esquema vacinal não por falta de vacina, mas porque não têm procurado as unidades de saúde. Estamos com atraso nas doses, as pessoas precisam se cuidar”, ela enfatiza. 

Explosão de contaminação

Mesmo com o aumento de casos positivos de Covid-19 ao longo de dezembro acima de 1.800%, a vacinação em Campo Grande se mantém estável nos primeiros dias de 2023.

Conforme os boletins epidemiológicos da SES (Secretaria Estadual de Saúde), a Capital saiu de 72 notificações entre 6 e 13 de dezembro para 1.384 entre 27 de dezembro e 3 de janeiro. A comparação entre os períodos representa aumento de 1.822,22%.

Na avaliação da Sesau, a aplicação dos imunizantes manteve-se em estabilidade com, aproximadamente, 300 doses por dia, a mesma média diária de doses aplicadas nos últimos meses de 2022.

Os testes para identificar o vírus da covid-19 estão disponíveis gratuitamente em 74 unidades básicas de saúde de Campo Grande. De acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), os exames de Covid-19 são disponibilizados por demanda espontânea e não é preciso agendamento.