A mesma conta que reivindicou o ataque hacker ao site da Fapec (Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura), na última terça-feira (5), fez uma nova ameaça à instituição nesta quarta-feira (6), cobrando uma “resposta definitiva” sobre os problemas nas provas dos vestibulares da (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul). 

Alunos e professores de cursinho pré-vestibular levantaram as hashtags #MudaFapec e #ForaFapec nas redes sociais, nesta semana, pedindo providências sobre problemas nas avaliações, como a falta de revisão e gabaritos incompatíveis com o conteúdo. 

Desta vez, a conta no X (antigo Twitter) estabeleceu o prazo até às 18h, desta quarta-feira, para que a Fapec apresente uma “nota transparente e com normas de resolução do problema”. 

A mensagem escrita pelo usuário Low Profile, hacker que seria da “Alta Hierarquia do Coletivo Internacional Anonymous”, promete expandir o ataque cibernético com a ameaça de vazar dados pessoais dos administradores da instituição. 

Na terça-feira, o site da instituição ficou fora do ar por mais de 16 horas, mas, nesta manhã, o portal já funcionava normalmente.

Novo e-mail enviado ao Midiamax pelo Anonymous, nesta quarta-feira, descreve a nota da Fapec como “vaga”. A “indiferença” da instituição sobre os problemas nas provas também seria um dos motivos de entre professores e alunos.  

“A Fapec é uma instituição com capacidade em resolver essa questão sem muito esforço, devido a sua credibilidade. Erros acontecem, mas precisam ser corrigidos”, diz o comunicado do Anonymous. 

O Midiamax solicitou uma nota da Fapec sobre o assunto e aguarda posicionamento. O espaço continua aberto para manifestações. 

Erros na capa e de conteúdo

fapec
Movimento aponta erros em provas (Fala Povo, Jornal Midiamax)

Levantamento feito por integrantes do movimento coletivo apontam erros em pelo menos dez questões na prova da UEMS e quatro na da UFMS. 

O Midiamax teve acesso a imagens das provas aplicadas nos vestibulares das duas universidades públicas. Já na capa da avaliação da UEMS, por exemplo, há um erro de digitação sobre a quantidade de questões, o que apontaria a falta de revisão. A prova prevê cinco alternativas, mas na pergunta 39 há apenas quatro. 

Já na prova da UFMS, a questão 32 não teria alternativa correta. Na pergunta 34, as alternativas A e B poderiam ser consideradas corretas. 

estudante Monique Mariê de Moura Righetti, de 23 anos, presta os vestibulares da UFMS e UEMS de medicina desde 2019 e relembra que há anos observa erros nas provas. 

“As questões são mal feitas e mal elaboradas. Eles tem um ano pra fazer a questão é revisar e você vê erros logo na capa. A gente não acredita nem que aquela prova é revisada, é feita em cima da hora. O artigo que foi usado de jornal foi publicado no fim de novembro e a prova foi agora em dezembro, então foram só alguns dias para elaborar a questão”, ela argumenta. 

Reunião da UEMS

A UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) deve realizar uma revisão independente dos erros apontados na prova do vestibular, aplicada a 6.481 candidatos em 26 de novembro. A instituição diz que essa seria uma medida para “prevenir a recorrência dessas falhas”.

Em nota ao Midiamax, a UEMS afirmou que se comprometeu a receber os representantes do movimento #MudaFapec no dia 22 de dezembro, na Cidade Universitária do município de Dourados, sede administrativa da universidade. A data seria a disponível no cronograma de atendimentos da gestão da UEMS.

Midiamax solicitou uma nota de posicionamento da UFMS sobre o assunto na última segunda-feira (5), mas até o momento não obteve resposta. O espaço continua aberto para manifestações.