A empresa espanhola Aena assume a administração do aeroporto de nesta terça-feira (7). É o segundo aeroporto de a ser entregue à iniciativa privada e integra o bloco SP-MS-PA-MG de concessões, arrematado por R$ 2,450 bilhões em leilão. foi assumido pela empresa no dia 13 de outubro.

Para o aeroporto de Ponta Porã, o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental prevê chegar a 136,3 mil passageiros em 2052, considerando crescimento anual de 2,9% e a previsão de 59,4 mil pessoas passando pelo local em 2023. No último ano da concessão, em 2052, o movimento total de aeronaves comerciais deve ser de 846 voos domésticos.

E assim como Campo Grande, os estudos mostram que os aeroportos de e Ponta Porã não têm demanda mínima de passageiros para ser rota internacional pelos próximos 30 anos.

Antes de ser leiloado, o aeroporto de Ponta Porã  recebeu R$ 2,7 milhões, em conjunto de obras que incluíram reforma e adequação das áreas de embarque e desembarque, novo sistema de combate a incêndio, da sinalização e recuperação de pavimentos, além da construção e adequação de cercas patrimoniais.

Aena arrematou bloco por R$ 2,4 bilhões

Em agosto de 2022, a empresa espanhola Aena arrematou o bloco SP-MS-PA-MG com oferta de R$ 2,450 bilhões, que foi a leilão na 7ª rodada de concessões. Os aeroportos de Campo Grande, Corumbá, Ponta Porã e Congonhas (SP), estão entre os 11 do bloco.

A Aena foi a única a apresentar proposta para o bloco SP-MS-PA-MG. A empresa se diz líder mundial em gestão aeroportuária e atualmente administra seis aeroportos brasileiros, todos na região Nordeste do país.