O Aeroporto Internacional de Campo Grande começou a ser operado, desde a madrugada desta sexta-feira (13), pela empresa espanhola Aena. A concessionária venceu, em agosto de 2022, licitação para operar três aeroportos de e de mais três estados por R$ 2,4 bilhões.

A empresa, considerada a maior operadora aeroportuária do mundo em número de passageiros, administrará o aeroporto de Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã pelo período de 30 anos. Em entrevista coletiva nesta sexta, o presidente da Aena no Brasil, Santiago Yus, afirmou que a taxa de embarque no aeroporto deve ficar mais cara.

“Todos aeroportos com mais de 1 milhão de passageiros por ano têm por contrato um reajuste anual da tarifa de embarque feito pela inflação. O agente regulador coloca um teto tarifário que não podemos ultrapassar”, disse o presidente sem detalhar o valor.

Santiago também explicou que durante os trabalhos de melhoria e de finalização das obras do Aeroporto, não haverá fechamento do terminal. “Teremos algumas dificuldades porque o aeroporto é uma obra inacabada, mas conseguiremos fazer”.

O presidente explica que uma das maiores reivindicações dos passageiros, a construção de passarelas ou fingers – que dão acesso direto às aeronaves sem que os viajantes precisem caminhar pela pista – está no cronograma da empresa e também previsto em contrato.

Coletiva com o Presidente da Aena (Nathalia Alcântara, Midiamax)

O primeiro pouso já sob a administração da empresa espanhola aconteceu às 0h12 desta sexta e teve como origem o aeroporto de Campinas, operado pela empresa Azul Linhas Aéreas. Luzes dos carros dos que têm quartel no aeroporto recepcionaram o primeiro voo da nova gestão.

No terminal, nova identidade visual já informa aos passageiros que o aeroporto agora é operado pela concessionária, e não mais pela Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária).

Durante alguns minutos pela manhã, os painéis que informam horário de embarque e desembarque chegaram a apresentar falha, mas a das telas foi restabelecida e não causou transtorno para os passageiros. A empresa informou que a falha ocorreu em razão de mudança de todo o sistema.

Novo diretor do Aeroporto de Campo Grande, Usiel Vieira disse todo o terminal de passageiros passará por requalificação e que projeto será apresentado em dezembro deste ano. A partir daí, com aprovação do projeto, as obras devem iniciar.

Beatriz Vera, de , desembarcou em Campo Grande depois de uma viagem a Palmas, no Tocantins, e falou sobre melhorias que, na opinião dela, seriam importantes de serem colocadas em prática pela nova gestão do aeroporto.

“Poderia ter mais espaço no estacionamento, mais conforto no saguão. Mais ar-condicionado e um acesso a uma internet mais rápida também seriam boas melhorias”, disse a passageira.

Acostumado com a rotina de aeroportos, o empresário de tecnologia José Lucio Mello embarca nesta manhã para Belo Horizonte e afirmou que, de uma forma geral, o aeroporto de Campo Grande atende bem os passageiros, mas que ainda há o que melhorar.

“Aqui falta um bom restaurante, se você fica muitas horas e precisa fazer uma boa alimentação, fica sem opção. Mais pontos para recarga de celular e um túnel de acesso do passageiro até a aeronave no momento do embarque e desembarque também seriam grandes melhorias”, disse.

A promessa da espanhola é que melhorias sejam feitas no terminal, que de janeiro a agosto deste ano recebeu 994 mil passageiros.

Para os próximos meses, a Aena afirma que planeja melhorias para aumentar o conforto dos usuários nos aeroportos, como um novo sistema de conexão à internet wi-fi – mais estável e veloz -, adequação da iluminação, instalação do ar-condicionado em todas as áreas do terminal, melhoria dos banheiros e nas demais áreas comuns.

Aena vai administrar concessão por 30 anos (Nathalia Alcântara, Midiamax)

Aeroportos de Ponta Porã e Corumbá terão nova gestão em novembro

Em agosto de 2022, a empresa espanhola Aena arrematou o bloco SP-MS-PA-MG com oferta de R$ 2,450 bilhões, que foi a leilão na 7ª rodada de concessões. Os aeroportos de Campo Grande, Corumbá, Ponta Porã e Congonhas (SP) estão entre os 11 do bloco.

A Aena foi a única a apresentar proposta para o bloco SP-MS-PA-MG. A empresa se apresenta como líder mundial em gestão aeroportuária e, atualmente, administra seis aeroportos brasileiros, todos na região Nordeste do país.

Ponta Porã e Corumbá são os próximos da lista, com datas marcadas para 7 e 10 de novembro, respectivamente. A empresa espanhola vai assumir, ainda, a concessão de outros sete aeroportos pelo país, totalizando 11.

Saiba Mais