Um tatu-canastra, espécie ameaçado de extinção, foi encontrado cavando um buraco embaixo de uma residência e colocando a estrutura em risco. A PMA (Polícia Militar Ambiental) foi acionada e conseguiu resgatar o animal depois de dois dias de ações no local.

O caso aconteceu na área rural de Cassilândia, quando moradores da residência acionaram a PMA pois o tatu estava cavando embaixo da casa. O tatu, de grande porte, poderia colocar a estrutura da casa em risco.

Equipe da PMA esteve no local e a primeira estratégia foi de jogar água no buraco para que ele saísse. Sem sucesso, o animal continuou escavando. A noite, a equipe armou uma armadilha na abertura inicial do buraco, esperando que o tatu saísse ao anoitecer. O que também não aconteceu.

No dia seguinte tentaram liberar a saída e deixar armadilhas para que os moradores o capturassem, caso ele saísse. A estratégia também falhou e no outro dia, a PMA, com autorização do proprietário, decidiu quebrar o contra piso da casa.

Assim conseguiram capturar o animal, que pesava mais de 40 kg e foi soltou em área de vegetação, distante do perímetro urbano e de residências de propriedades rurais.