Sindicatos e motoristas de MS não irão aderir à greve dos caminhoneiros: ‘Não é o momento’

Caminhoneiro e apoiador de Bolsonaro está convocando a categoria para uma paralisação na próxima segunda-feira
| 23/06/2022
- 16:36
Sindicatos e motoristas de MS não irão aderir à greve dos caminhoneiros: ‘Não é o momento’
Membros da categoria afirmam que vão continuar trabalhando normalmente (Foto: Stephanie Dias / Jornal Midiamax)

Caminhoneiro e apoiador do presidente Bolsonaro (PL), Zé Trovão publicou um vídeo nas redes sociais convocando para um greve da categoria marcada para a próxima segunda-feira (27). Em Campo Grande, os sindicatos e trabalhadores autônomos não demostram apoio à paralisação e afirmar que vão continuar as operações normalmente.

Para o presidente do Sindicam – MS (Sindicato dos Caminhoneiros em Mato Grosso do Sul), Osny Carlos Bellinati, de 70 anos, a greve tem cunho político e o sindicato não vai aderir.

“Nós temos vários caminhoneiros que pertencem ao sindicato e cada um tem a sua ideia. Nós do sindicato não vamos fazer greve, estão fazendo uma greve política. Não é o momento [de greve]. Se embarcarmos em uma deriva de política o que vamos fazer? Esse cidadão que está convocando, eu não o conheço e nunca ouvi falar. Pode representar uma minoria, mas ele não representa a categoria em MS”, disse ele.

Em um comparativo com os motivos que levaram as manifestações de 2018 - que fecharam rodovias em todo o Brasil e causaram falta de combustível – o presidente do sindicato diz não enxergar as mesmas bandeiras. “Em 2018 era para conseguir um subsídio para melhorar a qualidade de vida do caminhoneiro. É muito diferente. Esse cidadão aí está se preocupando com política. Se pararmos o arroz e o feijão vão aumentar, mas o frete vai continuar a mesma coisa”, disse ele.

WhatsApp Image 2022 06 22 at 18.35.35 - Sindicatos e motoristas de MS não irão aderir à greve dos caminhoneiros: ‘Não é o momento’
Para o Sindicam, devia dar mais apoio para os caminhoneiros (Foto: Stephanie Dias / Jornal Midiamax)

Em relação ao preço do e as condições de trabalho para a categoria ele ressaltou. “Nós fizemos aquela greve monstruoso, fechamos todo o Estado e o que nós ganhamos? Mostramos que o sindicato tem força, mas o restante não ganhamos em nada. Hoje o caminheiro dirige um caminhão mais velho que ele. Ele precisa de apoio do Governo Federal pra comprar um caminhão melhor. Com o Diesel não tem pra onde correr, alguma coisa está errada. Produzimos petróleo, mas exportamos e trazemos refinado de fora. Precisamos de novas refinarias”, disse ele.

Neutralidade

O Setlog MS (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de MS) também se manifestou sobre o tema. “Esse assunto não foi pautado, enquanto entidade a gente não é contra e nem a favor da paralisação. A gente não apoia e nem desapoia. Nós damos suporte aos transportadores e eles são autônomos, são categorias diferentes”, disse o comunicado do Setlog.

Em relação ao preço do diesel o sindicato pontuou. “O aumento é uma questão mundial, são consequências da pandemia. Não é um momento fácil, isso interfere no preço final do frete e os transportadores tem passado por dificuldades para continuar com a operação por conta do aumento contínuo”, finalizou o comunicado.

O que dizem sobre a greve na parada dos caminhoneiros

A equipe do jornal Midiamax foi ao pátio de um posto de comestíveis na avenida Zilá Corrêa Machado – Rodoanel Rodoviário de Campo Grande – para ouvir os trabalhadores da categoria.

Dirigindo para uma empresa, o caminhoneiro Anderson Amaral, de 39 anos, disse que não irá participar do movimento.“Não vou aderir à greve, Zé Trovão é só mídia. Os caminhoneiros estão chateado com a política de preços do governo”, disse ele

A ideia também é compartilhada pelo caminhoneiro autônomo Sandro Rodrigues, de 50 anos. Escutei falar, mas nem eu e nem meus amigos vão aderir. O governo teve quase quatro anos para mudar a política de preços, mas ela só piorou”, disse ele.

Para a o autônomo Álvaro Lopes, de 59 anos, a situação dos profissionais da categoria em Mato Grosso do Sul é triste. “Sou de São Paulo, os caminhoneiros de outros Estados estão com pena dos de MS. Pagamos R$0,40 centavos a mais no preço do diesel. Não vou aderir à greve, esse Zé Trovão e só papo furado. Deve estar ganhando dinheiro de político”, disse ele.

Veja também

Ao todo, são 25 vagas para os diversos comandos da Marinha no país

Últimas notícias