Cotidiano

Sem aumento na frota de ônibus, servidores e estudantes enfrentam lotação na volta para casa

Consórcio Guaicurus diz que não há a necessidade no momento de colocar mais ônibus nas linhas

Mariane Chianezi e Ranziel Oliveira Publicado em 02/08/2021, às 18h10 - Atualizado às 18h11

None
Ranziel Oliveira, Midiamax

Servidores municipais que voltaram ao trabalho presencial e os estudantes da rede estadual de ensino que voltaram às salas de aula nesta segunda-feira (2), enfrentam lotação no transporte público de Campo Grande no fim da tarde e início da noite. Sem previsão de aumento na frota de ônibus, os passageiros afirmam que vão espremidos durante o trajeto.

O estudante Daniel Romeiro, de 17 anos, disse ao Jornal Midiamax que a lotação tem sido frequente no transporte público mesmo antes do retorno das aulas e que, diante da volta dos alunos às salas de aula, o problema aumentou.

“Estudo a tarde e pego ônibus por volta do meio dia e meio para vir à escola. Hoje estava cheio e sem nenhum distanciamento. É muita gente nesse horário, não só estudantes. Precisa de mais ônibus nas linhas nos horários de pico”, disse.

Em frente ao ponto de ônibus da Prefeitura Municipal, uma servidora de 37 anos, disse que pega a linha 087 para chegar ao trabalho e que distanciamento ‘é lenda’ entre os passageiros. “Tudo muito lotado. Estava muito cheio, não tem como, todo mundo senta perto um do outro”, comentou a trabalhadora.

[Colocar ALT]
Saída de alunos no maior colégio estadual da Capital Foto: Ranziel Oliveira

Marilei da Silva relata que pela manhã é lotado e pela parte, parece que a situação piora. “Vim às 7h e vim em pé, as pessoas uma do lado da outra, não tem espaço. Não era para ser assim, era para ter mais ônibus justamente para não ter aglomeração”, afirma.

O que diz o Consórcio

No entanto, apesar das reivindicações dos passageiros, ainda não há previsão de aumento de ônibus nas ruas. Na semana passada, o presidente do Consórcio Guaicurus, João Resende, disse que a demanda ainda não exige quantidade maior de veículos nas ruas.

“Para segunda-feira, com retorno de alguma atividade, a gente vai calibrando a frota. Mas, atualmente, ela está atendendo a demanda. Então, para alterar esta quantidade de ônibus, para cima ou para baixo, sempre estamos em função da demanda de pessoas”, explicou em reportagem anterior.

Jornal Midiamax