Cotidiano

MS tem 150 mil pessoas que ainda não tomaram nenhuma dose de vacina, aponta SES

Secretário de Saúde convocou, novamente, mutirões e busca ativa nos municípios

Mylena Rocha Publicado em 06/10/2021, às 11h29

Negacionistas 'travaram' imunização e MS perdeu liderança no ranking nacional.
Negacionistas 'travaram' imunização e MS perdeu liderança no ranking nacional. - Leonardo de França/Midiamax

Apesar de ter uma das melhores coberturas vacinais do país, Mato Grosso do Sul ainda precisa avançar na imunização. O Estado tem cerca de 150 mil pessoas que ainda não tomaram nenhuma dose de vacina, conforme informações divulgadas pela SES (Secretaria de Estado de Saúde). A recusa da vacina tem atrapalhado e até fez com que Mato Grosso do Sul perdesse o topo no ranking da vacinação no país. 

Durante a live da SES na manhã desta quarta-feira (6), o secretário estadual de saúde Geraldo Resende convocou os municípios para que não meçam esforços para avançar na imunização. Resende pediu que as cidades façam mutirões de vacinação, busca ativa e apelos à população. “Somos, segundo dados, cerca de 150 mil pessoas que não tomaram nenhuma dose da vacina. [Espero] que possamos avançar”, disse o secretário. 

Geraldo Resende ainda comentou sobre o ranking da vacinação nacional. Depois de meses na liderança, Mato Grosso do Sul perdeu a liderança para o estado de São Paulo. O secretário de saúde frisou que o Estado vai continuar incentivando a vacinação e justificou que São Paulo tomou a frente por ser o maior do país.

Além disso, as sedes do Instituto Butantan, que produz a Coronavac, e da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que produz a Astrazeneca, ficam em SP. “É uma disputa do bem, não tem troféu. O que nós vamos ter é preservar a vida das pessoas”, ressaltou.

Negacionistas travaram fila da vacina

Mato Grosso do Sul perdeu para o São Paulo o posto de estado mais avançado na imunização contra covid no País na noite de segunda-feira (4). Ao Jornal Midiamax, o titular da SES (Secretaria de Estado de Saúde), Geraldo Resende, atribui a desaceleração na vacinação de MS aos negacionistas — como ficaram conhecidos os grupos que ignoram evidências científicas, tais como a eficácia de vacinas.

"Chegamos num momento que restam ser vacinados em MS aquelas pessoas que não tomaram a vacina pelo componente político. São aqueles que seguem orientações dos negacionistas, que seguem orientações políticas e ideológicas", pontuou Resende à reportagem.

Desde o início da vacinação, MS ocupou as primeiras posições na vacinação e seguia na liderança da porcentagem de população imunizada há meses. "São Paulo é um estado poderosíssimo, era uma luta de Davi contra Golias. Mas, resistimos", avaliou Resende.

(com Gabriel Maymone)

Jornal Midiamax