Cotidiano

SES terá ‘padrinhos’ para reforçar monitoramento do coronavírus em MS

Servidor poderá “adotar” município para orientar funcionários municipais e acompanhar evolução de casos

Adriel Mattos Publicado em 17/09/2020, às 09h51

Sede da SES, em Campo Grande. (Foto: Divulgação, Subcom-MS)
Sede da SES, em Campo Grande. (Foto: Divulgação, Subcom-MS) - Sede da SES, em Campo Grande. (Foto: Divulgação, Subcom-MS)

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) de Mato Grosso do Sul criou uma estratégia para reforçar ações nos municípios para minimizar o avanço da pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus

Resolução que institui a política de “padrinhos e madrinhas” foi publicada na edição desta quinta-feira (17) do DOE (Diário Oficial Eletrônico). Servidores da pasta podem “adotar” uma cidade, auxiliando os funcionários locais para melhorar e desenvolver ações contra a pandemia.

A estratégia consiste em manter contato permanente com as equipes, inclusive com o secretário ou secretária municipal. Se houver, por exemplo, um aumento expressivo de casos, o servidor “padrinho” ou servidora “madrinha” deve telefonar para a prefeitura e entender o que ocorreu.

Para isso, haverá um formulário que será encaminhado ao município para monitoramento no fim da semana, entre quinta e sexta-feira, que deverá ser respondido até a segunda-feira da semana seguinte. 

Esse procedimento deve durar apenas até a implantação do sistema Rastrear MS. Dessa forma, o “padrinho” ou “madrinha” poderá acompanhar a evolução do município adotado em tempo real.

Jornal Midiamax