Cotidiano

#Retrospectiva2020: Persistência do consumidor de MS garantiu mais fiscalização e até descontos

Quando o assunto é consumidor, sempre acontece de tudo um pouco. Em 2020 não foi diferente, reclamações de preço, qualidade, atendimento ruim, entre diversas situações. Mas cada vez mais as pessoas estão atentas aos seus direitos e estão conseguindo bons resultados. Também teve a chegada inesperada da pandemia, onde muitos produtos tiveram preços dobrados, como […]

Carolina Rocha Publicado em 23/12/2020, às 14h30

Fiscalização do Procon apreendeu produtos vencidos no supermercado. (Foto: Divulgação)
Fiscalização do Procon apreendeu produtos vencidos no supermercado. (Foto: Divulgação) - Fiscalização do Procon apreendeu produtos vencidos no supermercado. (Foto: Divulgação)

Quando o assunto é consumidor, sempre acontece de tudo um pouco. Em 2020 não foi diferente, reclamações de preço, qualidade, atendimento ruim, entre diversas situações. Mas cada vez mais as pessoas estão atentas aos seus direitos e estão conseguindo bons resultados.

Também teve a chegada inesperada da pandemia, onde muitos produtos tiveram preços dobrados, como é o caso do nosso parceiro de bolso, o álcool em gel. Mesmo antes do primeiro caso de coronavírus no Brasil as pessoas correram até as prateleiras de mercados e farmácias para adquirir seu pote. Por conta disso, faltou produto em Campo Grande e então os preços subiram abusivamente. Para que os clientes não fossem logrados, o Procon fiscalizou estabelecimentos para que não cobrassem mais do que valia o produto.

Em abril, por conta da pandemia, muitas viagens tiveram que ser adiadas ou canceladas, e logo vieram diversos consumidores atrás de informações com agências ou companhia aérea para que fosse possível remarcar sem custo. E foi então que criaram um termo de compromisso com as entidades representantes do turismo estadual para garantir que o turista tenha direito de remarcação na reserva sem incidência ou multa.

Tranca faculdade, começa obra

Outro assunto muito debatido nos primeiros meses de pandemia, foi o preço das mensalidades das universidades. Por não poderem frequentar as aulas presenciais, os alunos e pais reclamaram que o valor deveria diminuir. Em junho, foi feito uma adaptação e diversas universidades abaixaram o valor da mensalidade em 15%.

Também por conta do problema, os consumidores que resolveram reformar ou construir em Campo Grande, tiveram grandes problemas com os materiais de construção. O material essencial para construir dobrou de preço e até mesmo chegou a faltar. Em agosto, acabaram todos os tijolos da capital e depois disso, o preço dobrou e até hoje segue o valor aumentado.

Mas os problemas não foram só com tijolos, muitos materiais aumentaram bastante e também estão demorando para chegar. O setor de construção aumentou e as pessoas resolveram pegar o dinheiro que estava parado em banco e investir em alguma construção.

Comida

Seguindo a linha de grandes aumentos nos preços, o valor do arroz chegou a virar piada na internet. O óleo de soja também foi outro produto que chamou atenção da população na hora de ir ao supermercado.

O aumento do óleo se deu por conta do preço para exportação ter subido e então os produtores começaram a dar preferência para mandar para fora e começou a faltar o produto em todo Brasil. Já o arroz, os produtores alegam que o preço de produção está muito alto.

Saindo um pouco da pandemia e valores, com 900 reclamações no Procon, a concessionária de energia do estado foi a campeã em 2020. O número foi 52% maior que as reclamações de 2019. Foram vários casos de pessoas sem energia por horas, clientes chegaram a ficar mais de 40 horas. Empresas ficaram sem luz e tiveram grande prejuízo.

Para fechar com chave de ouro, não poderia faltar os consumidores que compraram os alimentos que vêm recheados com corpos estranhos e texturas indesejadas. Em fevereiro, uma criança encontrou uma barata dentro do seu lanche na rodoviária de Campo Grande. E também o caso do molho de tomate que tinha algo indecifrável, mas pouco agradável dentro.

Mesmo 2020 sendo um ano tão diferente, o que não faltou foi reclamação e insatisfação do consumidor. Os assuntos são diversos e as indignações também, mas o importante é que não deixaram de falar e estão cada vez mais indo atrás de seus direitos.

Jornal Midiamax