Cotidiano

Após catedral ser interditada, Governo e Prefeitura garantem R$ 2 milhões para reforma

Sede é patrimônio histórico e cultural de MS

Midiamax Publicado em 03/08/2016, às 20h17

None
catedra_corumba.jpg

Sede é patrimônio histórico e cultural de MS

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) encontrou o padre Fábio Vieira nesta quarta-feira (03) e garantiu apoio do Governo para reforma da instalação elétrica da Catedral Nossa Senhora da Candelária, de Corumbá, contempladas pelo PAC das Cidades Histórias e paradas há anos por falta de recursos do Governo Federal. A sede estava interditada por causa do risco de desabamento do teto. As obras devem custar R$ 2 milhões aos cofres públicos.

“O Governo vai tentar, politicamente, reabilitar essa questão do PAC das Cidades Históricas em Brasília (DF) e ver se consegue a liberação dos recursos como um todo, porque foi prometido. Mas enquanto isso não acontece, o Governo vai viabilizar a reforma da instalação elétrica, que é mais urgente para nós”, contou o padre.

Após catedral ser interditada, Governo e Prefeitura garantem R$ 2 milhões para reformaA igreja, fundada em 18885, teve a última reforma em 1960 e nessa reparação não houve a troca da fiação elétrica. Nos últimos dias, a Catedral foi interditada por causa do risco de desabamento do teto.

A Prefeitura de Corumbá se comprometeu em liberar recursos para reformar o telhado do templo, segundo o padre. Com a garantia do Governo do Estado de reparar a fiação elétrica, padre Fábio acredita que as atividades religiosas no local logo voltarão a normalidade. “O teto e a parte elétrica são as partes principais que precisam de conserto”, afirmou.

Ele ressaltou ainda a importância da Catedral de Corumbá para o Estado, “patrimônio histórico e cultural do Estado, foi a primeira sede da igreja do Sul do antigo Mato Grosso”.

Quando foi contemplada pelo PAC das Cidades Históricas, a Catedral teve o projeto de revitalização aprovado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), ligado ao Ministério da Cultura. Conforme o padre Fábio, o projeto foi orçado em cerca de R$ 2 milhões. 

Jornal Midiamax