Depois de duas ausências a audiências da Comissão de Segurança Pública, o ministro da Justiça, Flávio Dino, compareceu a uma sessão da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara na manhã desta quarta-feira (25), para a qual foi convocado.

Aos deputados, o ministro disse que não pretende atender aos requerimentos do colegiado de segurança. Em ofício, Dino justificou que sua ausência ocorreu após o Ministério da Justiça apontar elevado risco de agressões físicas e morais de integrantes da comissão a ele, inclusive com ameaças de uso de de fogo por parlamentares.

À Comissão de Fiscalização, presidida por (PL-DF) e controlada por deputados apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Dino fala sobre a recusa do envio de imagens das câmeras do Ministério da Justiça durante invasão do 8 de janeiro à CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito), supostas “práticas abusivas” contra as big techs, suspeita de interferência na PF (Polícia Federal) e cortes no Orçamento de 2024 para o combate à criminalidade.

Em ofício à Câmara nesta terça, Dino afirmou que os parlamentares poderiam estar armados, o que poderia representar ameaça à integridade física. “É verossímil pensar que eles andam armados, o que se configura uma grave ameaça à minha integridade física, se eu comparecesse à audiência. Lembro, a propósito, que os parlamentares não se submetem aos detectores de metais, o que reforça a percepção de risco, inclusive em razão dos reiterados desatinos por parte de alguns”, argumentou.

A sessão novamente é marcada por provocações. O ministro reforçou que apenas responderá às perguntas relativas aos temas dos requerimentos. “É a primeira vez que vejo o ministro sem medo de ir à Maré, mas com medo de perguntas”, disse Nikolas Ferreira (PL-MG), numa referência a uma do Rio.

“Está com medo de responder, é?”, questionou outro parlamentar, fora do microfone. Parlamentares do governo compareceram para fazer a defesa do ministro.

No total, Dino já compareceu em três audiências no Congresso – duas na Câmara e uma no Senado. Em todas elas, o ministro fez piadas e ironias com os parlamentares. Em abril, a sessão foi interrompida depois da sucessiva troca de ataques e provocações entre apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Saiba Mais