A malha viária de Mato Grosso do Sul ganhou três estradas em um ano. No SRE/MS (Sistema Rodoviário Estadual), eram 145 rodovias em novembro de 2022, três a mais que em 2021.

Neste levantamento, o Jornal Midiamax atualiza o raio-x das estradas estaduais e revela curiosidades como a localização da menor rodovia do Estado, que possui apenas 7,9 quilômetros. Os dados são da (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos)

Em novembro de 2021, eram 13.459,7 mil quilômetros distribuídos em 142 estradas estaduais, sendo 5.038,1 km pavimentados; 8.421,6 parcialmente asfaltados e 1.747,8 km planejados.

Agora são 145 estradas estaduais, distribuídas em 15.413,3 km, sendo 5.142,1 km pavimentados, 8.671,2 km não pavimentados e 1.600 km planejados. Como se vê, o Estado asfaltou 104 km neste período de um ano e implantou 147,8 km de rodovias.

Esses 1,6 mil km planejados incluem não apenas estradas que só existem no papel como também novos trechos de rodovias já existentes. 

Dessas 145 estradas estaduais, apenas 23 têm pista totalmente pavimentada, 63 estão parcialmente asfaltadas e as 59 restantes não têm qualquer trecho asfaltado.

Percentualmente, 42,14% das estradas estaduais não são pavimentadas. O cálculo não leva em conta as rodovias planejadas.

A maior estrada em extensão do Estado é a MS-316, que começa em , perto da divisa com Mato Grosso. A rodovia corta ainda Paraíso das Águas, Chapadão do Sul, Inocência e Aparecida do Taboado, terminando na divisa com São Paulo e totalizando 362 km.

Já a menor rodovia é a MS-477, em Dourados, que tem apenas 7,9 km. Ela liga o Anel Viário, mais conhecido como Perimetral Norte, ao distrito de Panambi.

As atualizações no SRE incluem a MS-197, ainda em planejamento, e a MS-275, que vai ligar a ponte entre Porto Murtinho e a cidade paraguaia de Carmelo Peralta. Como ligação, ela não teve quilometragem contabilizada.

Ao final desta reportagem, é possível consultar a situação de todas as estradas, incluindo quais trechos estão e quais não estão asfaltados.

Estradas planejadas

A Agesul tem ainda três rodovias planejadas, que estão tendo toda a sua extensão desenhada. A MS-197 liga a BR-262 ao distrito de Porto Esperança, em . Já a MS-307 corta o Pantanal, chegando à divisa com o Mato Grosso. 

E a MS-375 liga a BR-267, em Nova Alvorada do Sul, à MS-040, em Campo Grande. No total, são 1.600 km de estradas planejadas. 

Segundo a Agesul, essas estradas são representadas nos mapas oficiais como linhas retas. Como essas rodovias ainda não existem oficialmente, ou seja, nem seu traçado foi definido, elas não são contabilizadas como não pavimentadas. Portanto, a reportagem as excluiu do cálculo da quilometragem.

estradas
estradas
Artes: Madu Livramento/Jornal Midiamax

Como as rodovias são numeradas?

As rodovias estaduais são identificadas por número, conforme normas do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes). No Plano Nacional de Viação, o ponto de referência das estradas federais, as BRs, é Brasília (DF).

Para regionalizar, a Agesul definiu a capital Campo Grande como ponto de referência. Como as estradas federais, as rodovias estaduais têm três números.

O primeiro número, à esquerda, indica a categoria da rodovia. Já os algarismos à direita definem a posição da rodovia em relação à Campo Grande.

As rodovias radiais partem da Capital rumo ao interior. São apenas três, a MS-010, a MS-040 e a MS-080.

Já as estradas longitudinais vão de norte a sul, sendo que 100 a 150 são aquelas a leste de Campo Grande e de 151 a 199 a oeste da Capital. Um exemplo é a MS-180, entre Iguatemi e Japorã.

As transversais cruzam o Estado de leste a oeste. Logo, 200 a 250 ficam ao norte de Campo Grande e de 250 a 299 na direção sul. É o caso da MS-295, entre Tacuru e Paranhos.

Já as rodovias diagonais são divididas em duas subcategorias: noroeste-sudeste e nordeste-sudoeste. A numeração vai de 300 a 399, sendo que as pares cortam o Estado na direção noroeste-sudeste e as ímpares são as de sentido nordeste-sudoeste. Tome como exemplo a MS-345, de a .

Veja a de estradas e a situação de pavimentação e duplicação:

Saiba Mais