De toda a malha viária de Mato Grosso do Sul, que até novembro do ano passado compreendia cerca de 13.459,7 mil quilômetros distribuídos em 142 estradas estaduais, mais de 5 mil quilômetros são pavimentados, enquanto 8,4 mil esperam pelo asfalto. Neste levantamento, o Jornal Midiamax faz um raio-x das estradas estaduais e revela curiosidades como a localização da menor rodovia do Estado, que possui apenas 7,8 quilômetros.

Os dados foram repassados ao Jornal Midiamax por meio da LAI (Lei de Acesso à Informação). Conforme o SRE/MS (Sistema Rodoviário Estadual), somando os 1.747,8 km de rodovias planejadas, aquelas que ainda não saíram do papel, Mato Grosso do Sul tem 15.207,5 km de estradas.

Deste total, apenas 5.038,1 km estão pavimentadas. São 142 rodovias estaduais. Destas, 21 têm pista totalmente pavimentada. Além disso, 61 estão parcialmente asfaltadas e as 58 restantes não têm qualquer trecho asfaltado.

Percentualmente, 62,56% das estradas estaduais não estão pavimentadas. Dessa forma, o cálculo não leva em conta as rodovias planejadas.

A Agesul não informou quanto das rodovias parcialmente pavimentadas têm asfalto, destacando que apenas as 17 Residências Regionais teriam a informação, que não foi disponibilizada à reportagem.

A maior estrada em extensão do Estado é a MS-316, que começa em Costa Rica, perto da divisa com Mato Grosso, com 365,5 km. A rodovia corta ainda Paraíso das Águas, Chapadão do Sul, Inocência e Aparecida do Taboado, terminando na divisa com São Paulo.

a menor rodovia é a MS-477, em Dourados, que tem apenas 7,8 km. Ela liga o Anel Viário, mais conhecido como Perimetral Norte, ao distrito de Panambi.

Estradas planejadas

A Agesul tem ainda duas rodovias planejadas, que estão tendo toda a sua extensão planejada. A MS-307 corta o Pantanal, chegando na divisa com o Mato Grosso. Já a MS-375 liga a BR-267, em Nova Alvorada do Sul, à MS-040, em Campo Grande.

No total, há 1.747,8 km de estradas planejadas. “As rodovias planejadas ainda não possuem uma diretriz definida por se tratarem de um plano de governo e geralmente são representadas no mapa por uma linha reta, por esta razão essas extensões não são computadas como sendo de rodovias não pavimentadas”, diz o ofício enviado pela Agesul.

Como essas rodovias não existem oficialmente, ou seja, nem seu traçado foi definido, elas não são contabilizadas como não pavimentadas. Portanto, a reportagem as excluiu do cálculo da quilometragem.

Como é definida a numeração das rodovias?

Conforme normas do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes), a identificação é feita por números. No Plano Nacional de Viação, o ponto de referência das estradas federais, as BRs, é Brasília (DF).

Para regionalizar, a Agesul definiu a capital Campo Grande como ponto de referência. Como as estradas federais, as rodovias estaduais têm três números.

Desse modo, o primeiro número, à esquerda, indica a categoria da rodovia. Já os algarismos à direita definem a posição da rodovia em relação a Campo Grande.

RODOVIAS EM MATO GROSSO DO SUL | JORNAL MIDIAMAX de Multimídia [ Midiamax ]

As rodovias radiais partem da Capital rumo ao interior. São apenas três: a MS-010, a MS-040 e a MS-080.

Já as estradas longitudinais vão de norte a sul, sendo que 100 a 150 são aquelas a leste de Campo Grande e de 151 a 199 a oeste da Capital. Um exemplo é a MS-180, entre Iguatemi e Japorã.

As transversais cruzam o Estado de leste a oeste. Logo, 200 a 250 ficam ao norte de Campo Grande e 250 a 299 na direção sul. É o caso da MS-295, entre Tacuru e Paranhos.

Já as rodovias diagonais são divididas em duas subcategorias: noroeste-sudeste e nordeste-sudoeste. Então, a numeração vai de 300 a 399, sendo que as pares cortam o Estado na direção noroeste-sudeste e as ímpares são as de sentido nordeste-sudoeste. Tome como exemplo a MS-345, de Aquidauana a Terenos.