Mato Grosso do Sul tem 32 pessoas presas no Distrito Federal após atos antidemocráticos nos Três Poderes no último dia 8 de janeiro. São 20 homens e 12 mulheres, residentes em MS, custodiadas no Centro de Detenção Provisória II (homens) e na Penitenciária Feminina do Distrito Federal (mulheres).

As prisões constam em listagem divulgada pela Seape (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do DF), atualizada na última sexta-feira (20), quando o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, concluiu análise da situação dos presos envolvidos em atos de terrorismo.

Assim, foram analisadas 1.459 atas de audiência relativas a 1.406 custodiados. Assim, 942 prisões em flagrante foram convertidas em preventiva – dessas, 464 tiveram liberdade provisória declarada, mediante uso de tornozeleira.

Contudo, nenhum sul-mato-grossense foi liberado para monitoramento por tornozeleira eletrônica.

Confira a lista de pessoas do MS que foram presas:

  • Alcebiades Ferreira Da Silva
  • Alexandre Henrique Kessler
  • Carlos Rogério Coimbra
  • Daniel Rodrigues Machado
  • Diego Eduardo de Assis Medina
  • Djalma Salvino dos Reis
  • Eliel Alves
  • Ilson Cesar Almeida de Oliveira
  • Ivair Tiago de Almeida
  • Jairo de Oliveira Costa
  • Jeferson Franca da Costa Figueiredo
  • João Batista Benevides da Rocha
  • Joci Conegones Pereira
  • José Paulo Alfonso Barros
  • Leandro do Nascimento Cavalcante
  • Mario Jose Ott
  • Misael da Gloria Santos
  • Ricardo Moura Chicrala
  • Rodrigo Ferro Pakuszewski
  • Vilson Rogerio Santos Amorim
  • Ceila Michelle Pilocelli
  • Debora Candida Gimenez
  • Edna Dias Sales
  • Elaine Ferreira Gonçalves
  • Franceli Soares da Mota
  • Madalena Severa dos Santos
  • Maria Aparecida Barbosa Feitosa
  • Marilete Pires Cabreira
  • Regina Maria Fidelis da Silva
  • Sidneia Xavier Gomes
  • Valeria Arruda Gil
  • Zilda Aparecida Correia de Paula

Depredação dos Três Poderes

No domingo (8), apoiadores do ex-presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), praticaram atos de vandalismo em Brasília. Prédios dos Três Poderes foram invadidos e depredados.

Após os atos antidemocráticos, a AGU (Advogacia-Geral da União) pede o bloqueio de R$ 18,5 milhões em bens de pelo menos 52 financiadores identificados.

Segundo a AGU, o valor do bloqueio ainda é preliminar. “Os prejuízos causados pelos atos golpistas ainda não foram integralmente calculados”, justifica a Advocacia.

Assim, a estimativa é de que houve prejuízo de R$ 3,5 milhões ao prédio do Senado Federal. Na Câmara Federal, a avaliação preliminar de prejuízos é de R$ 3,03 milhões.