Política / Transparência

Prefeitura de Campo Grande manda à Câmara novo Refis com previsão de desconto de até 100%

Medida ainda será discutida na Casa de Leis e, se for aprovada, valerá de 1º de junho a 10 de julho

Mayara Bueno Publicado em 12/05/2021, às 11h27

Centro de Campo Grande, em imagem aérea, durante restrição de circulação
Centro de Campo Grande, em imagem aérea, durante restrição de circulação - (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax, Arquivo)

A Prefeitura de Campo Grande mandou para a Câmara Municipal, nesta quarta-feira (12), projeto do PPI (Programa de Pagamento Incentivado), conhecido como Refis, que renegocia dívidas de contribuintes em relação aos impostos municipais - se aprovado, passará a valer de 1º de junho a 10 de julho. O secretário de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto, adiantou no fim de abril que projeto neste sentido poderia novamente apresentado.

Segundo o texto, o objetivo é reduzir os 'impactos causados na economia pela pandemia e oferecer a oportunidade para os contribuintes inadimplentes', além do benefício ao município, de poder arrecadar 'montante significativo' - estão incluídos IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza) anteriores a 2021. A proposta na Casa de Leis inclui a possibilidade de parcelamento administrativo online, como alternativa à ida na Central de Atendimento da prefeitura.

Débitos de natureza imobilária terão desconto nos juros de até 100% - neste caso, para o contribuinte que optar por pagar à vista. Parcelado em até seis vezes, 75% de abatimento emcima da atualização monetária e juros de mora; parcelado em até 12 vezes, 30%. No caso de dívidas de impostos de natureza econômica, à vista, 100% de desconto nos juros.

Quem optar por parcelamento em 6 meses, a cota não pode ser inferior a R$ 100; em 12 vezes, R$ 1 mil; 18 vezes, parcela mínima de R$ 2,5 mil; 24 vezes, R$ 5 mil; 36 meses, R$ 7,5 mil; em até 60 vezes, parcela mínima de R$ 25 mil. Ainda de acordo com o texto, o desconto varia de 80%, sob multa de infração, 90% em relação à multa. 

Jornal Midiamax