Garota de programa em Campo Grande deixou cliente apaixonado e ganhou em cargo público. No entanto, não gostou do e reclamou. Como o sujeito não conseguiu mudar a referência, acabou exposto e ‘perdeu’ para colega na repartição.

Segundo servidoras que ficaram revoltadas com a patética correria do chefe para melhorar a nomeação da acompanhante, ela mesma teria relatado como conseguiu a vaga.

Além disso, reclamam que a prática não é novidade nos órgãos públicos. Relatam que rápida análise nas credenciais de jovens nomeadas revelaria o esquema de aliciamento e baixaria.

R$ 8 mil como garota de programa em Campo Grande

Boa de conversa, a jovem chegou a revelar para colegas do setor que veio do interior trabalhar como garota de programa em Campo Grande e não pretende abrir mão dos ganhos, que passariam de R$ 8 mil mensais, segundo ela.

Porém, como o cliente se encantou, teria proposto a nomeação em troca de manter a ‘amizade colorida’.

Mas, teria se apaixonado e cobrado da jovem ‘exclusividade’. Como não conseguiu aumentar o ‘CCA’ para compensar a mudança de vida da profissional, ainda se revoltou ao saber que não estavam namorando.

“É tudo muito vexatório. No currículo da moça não existe nada além de um Instagram recheado de fotos sensuais e amizades com muitos homens influentes, geralmente quem tem deve ter para gastar com garotas de programa de luxo em Campo Grande”, analisa servidora de carreira sobre as novas colegas.

“São pelo menos mais três garotas de programa nomeadas recentemente. E as histórias são parecidas: as meninas vêm do interior, conhecem um cliente com influência nas boates de Campo Grande onde atuam como acompanhantes e são convidadas para ganhar uma nomeação”, relata ex-chefe do setor onde episódio rolou.

Assim, na prática o esquema de aliciamento usaria dinheiro público para bancar as aventuras sexuais dos agentes públicos responsáveis por conseguir as nomeações suspeitas.

A suposta receita de poderosos para garantir acesso a garotas de programa em Campo Grande sem gastar do próprio bolso com acompanhantes que prestam serviços sexuais não é nova.

Sabe de algo que o público precisa saber? Fala pro Midiamax!

Se você está por dentro de alguma informação que acha importante o público saber, fale com jornalistas do Jornal Midiamax!

E você pode ficar tranquilo, porque nós garantimos total sigilo da fonte, conforme a Constituição Brasileira.

Fala Povo: O leitor pode falar direto no WhatsApp do Jornal Midiamax pelo número (67) 99207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem com os jornalistas. Se preferir, você também pode falar com o Jornal direto no Messenger do Facebook.

Saiba Mais