Nesta quinta-feira (8), acontece a Tempus Veritatis, da Polícia Federal, com cumprimento de mandados em Mato Grosso do Sul. A operação apura organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito, para obter vantagem de natureza política, mantendo o então presidente, Jair (PL), no poder.

São cumpridos 33 mandados de busca e apreensão e quatro de prisão, além de 48 medidas cautelares diversas da prisão, como proibição de manter contato com os outros investigados, proibição de sair do país e a entrega do passaporte em até 24 horas, além da do exercício de funções públicas.

Além de Mato Grosso do Sul, são cumpridos mandados nos estados do Amazonas, , São Paulo, Minas Gerais, Ceará, Espírito Santo, Paraná, e no Distrito Federal. Os mandados foram expedidos pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Nesta fase, as investigações apontam que o grupo se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de nas Eleições Presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, para viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital.

O primeiro eixo consistiu na construção e propagação da versão de fraude nas Eleições de 2022, por meio da disseminação falaciosa de vulnerabilidades do sistema eletrônico de votação, discurso reiterado pelos investigados desde 2019 e que persistiu mesmo após os resultados do segundo turno do pleito em 2022.

O segundo eixo de atuação consistiu na prática de atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito, através de um golpe de Estado, com apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível.

O Exército Brasileiro acompanha o cumprimento de alguns mandados, em apoio à Polícia Federal. Os crimes investigados são de organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

Foto: Imagem ilustrativa (Henrique Arakaki, Arquivo Midiamax)