Prefeita de , Adriane Lopes (Patriota) informou nesta sexta-feira (3) em coletiva sobre regularização das casas da que vai recorrer contra o aumento do próprio . “Esse projeto teve começo, meio e fim no Legislativo e não no Executivo. Eu não acho justo, sou contra o aumento do meu subsídio”, afirmou.

Adriane disse que entrou com uma ação popular no TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) porque Campo Grande está no limite da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). “Estou nessa cadeira com uma missão, não pelo salário. Meu propósito é melhorar a cidade. Vamos em busca de um consenso. Se não embargar vou entrar com medidas”.

Isso porque, segundo Adriane, houve impacto salarial na folha. Além do salário da prefeita, o inclui o secretariado e 408 auditores fiscais, que são o teto do funcionalismo público municipal de Campo Grande.

Reajuste

Os vereadores aprovaram no último dia 28 dois projetos, 10.837/2022 e 10.879/2023, que tratam dos salários do teto do funcionalismo público de Campo Grande. Os maiores salários da administração municipal vão ter reajustes tanto em 2024 como em 2025.

Sobre a prefeita ter afirmado não ser um ‘momento oportuno’ para discutir reajuste, Carlão defendeu a tramitação. “Momento conturbado tem a todo momento. Temos que tomar decisões, apesar disso”, defendeu.

São cerca de 500 servidores beneficiados com a medida. Muitos dos auditores municipais acompanharam a sessão nesta terça-feira na Casa.

Salários de 2024 e 2025

Com o projeto de 2024, a prefeita Adriane Lopes (Patriota) já teria o salário reajustado para R$ 35.462,22, além de R$ 31.915,80 para o vice-prefeito, e R$ 30.142,70 para os Secretários Municipais do Município de Campo Grande, mesmo valor para os Dirigentes de Autarquias do Município.

No projeto para 2025, o salário pode subir para R$ 41.845,48. A proposta de aumento do subsídio da gestora da cidade foi protocolado na segunda-feira (27), mesmo dia em que a greve da enfermagem foi instaurada na Capital.

O efeito cascata de reajuste dos tetos salariais em Campo Grande leva a proposta de aumento do subsídio da prefeita. Conforme o Portal da Transparência, a remuneração do prefeito da Capital é de R$ 21.263,62, atualmente.

Assim, o reajuste seria de 96%. Ou seja, o subsídio de quem for prefeito custaria R$ 20,5 mil a mais em 2025. Além disso, a matéria protocolada na Câmara Municipal prevê o aumento da remuneração do vice-prefeito para R$ 37.658,6. Isso porque em 2024 tem novas eleições municipais.

Os integrantes do primeiro escalão também receberão aumento. Secretários municipais terão subsídio de R$ 35.567,50 e dirigentes de autarquias terão R$ 30.142,70.