O Governo de Mato Grosso do Sul decretou luto de três dias pela morte do deputado estadual Amarildo Cruz (PT). O decreto está em versão extraordinária do Diário Oficial.

Em nota oficial, o governo do Estado enalteceu a trajetória de Amarildo. “Mais que um parlamentar atuante, ele também era um estadual incansável na defesa dos interesses do Estado que escolheu para viver há mais de 40 anos”.

Ainda, em nota, o governador Eduardo Riedel lembrou que nesta semana cumpriu agenda com o parlamentar e “se une em oração aos familiares e amigos neste momento de luto e dor, rogando a Deus que o receba em seus braços e conforte os corações de amigos e familiares que se despedem de um amigo e ente querido”.

Internação

Amarildo estava internado desde quarta-feira (15) no Hospital Proncor, em Campo Grande. Assim, ele deu entrada na unidade ainda na madrugada.

No fim daquele dia, o parlamentar teria sofrido uma parada cardiorrespiratória e passou por reanimação. O petista foi intubado e passou por diálise, conforme apuração do Jornal Midiamax.

Ele teria um quadro de miocardite. Contudo, não foram divulgados detalhes do estado de saúde, e a família apenas relatou que Amarildo estaria estável e sendo tratado com antibióticos.

Contudo, nesta sexta-feira (17) a assessoria de imprensa do deputado confirmou a terceira parada cardíaca, que resultou na morte de Amarildo. Além disso, a informação é confirmada pelo chefe de gabinete, Manoel Paulo Barbosa, e pelo Ricardo Ayache, amigo da família.

O petista estava no quinto mandato, chegando a ir à Alems (Assembleia Legislativa do Estado de MS) por duas vezes como suplente. É pai de três filhos. 

Amarildo Cruz

Paulista de Presidente Epitácio, Amarildo Valdo da Cruz chegou a Mato Grosso do Sul aos 18 anos, em 1981, após aprovação em concurso para fiscal tributário estadual. É graduado em Direito e em Ciências Contábeis, pós-graduado em Gestão Pública e especialista em Ciências de Direito.

Assim, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores em 1984. Além disso, foi um dos fundadores e presidiu o Sindifiscal/MS (Sindicato dos Fiscais Tributários do Estado). No Governo do Estado, foi superintendente da Central de Compras.

Entre 2003 e 2006, foi diretor-presidente da Agehab (Agência de Habitação Popular), na gestão de José Orcírio dos Santos, o Zeca do PT. No entanto, deixou o cargo para concorrer a deputado estadual, sendo eleito pela primeira vez.

Na eleição seguinte, em 2010, ficou apenas como primeiro suplente. Então, assumiu a superintendência do (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente  e dos Recursos Naturais Renováveis) no Estado em 2011.

Dois anos depois, foi convocado para assumir uma cadeira na Assembleia. Em 2014, conquistou mais um mandato nas urnas. Nesta legislatura, foi 2º secretário da Mesa Diretora.

Nas eleições de 2018, ficou novamente como suplente. Neste período, comandou a Unidade de Educação Fiscal da Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda).

Foi empossado para o quarto mandato em 2021, após a morte do então deputado Cabo Almi. Também se aposentou como fiscal tributário após 39 anos. No último pleito, em 2022, foi reeleito para novo mandato.