Nas próximas horas, a Câmara Municipal de Iguatemi, distante a 413 quilômetros de Campo Grande, votará o parecer do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul), que reprovou a prestação de contas do vice-prefeito do município. O debate está marcado para às 18h30.

Na época em que o detalhamento foi apresentado, José Roberto Felippe Arcoverde, o Zé Roberto, atuava como chefe do executivo municipal. O cenário de grande repercussão na cidade gerou tumultuo.

O ex-prefeito chegou a enviar mensagens pedindo oração e jejum para a população. Do outro lado, um ex-vereador encaminhou áudio em um grupo de WhatsApp. No áudio, o ex-parlamentar fala: “Vamos fazer que nem fizeram lá em Brasília, aquele em que quebraram tudo lá, nem que vamos presos” (sic). A referência é aos atos antidemocráticos registrados em 8 de janeiro.

Mais cedo, o presidente da Casa, vereador Genésio Boamorte (PP), comentou sobre e disse ter repassado ao departamento jurídico. “Para segurança e preservação do funcionamento, preservação e ordem dos trabalhos, solicitamos apoio a PM, PC e Força Tática”, ressaltou.

A equipe de reportagem do Midiamax entrou em contato novamente com vereador Genésio Boamorte para saber como estaria sendo organizado o evento, para evitar que possíveis “ataques acontecessem”, já que a Câmara pediu ajuda de autoridades de seguranças. No entanto, ainda não obteve retorno.

O ex-vereador autor do áudio também foi contatado para falar do assunto por meios devidamente registrados, mas não se manifestou. O espaço segue aberto para posicionamento.

Zé Roberto pede oração

O ex-prefeito chefiou o Executivo Municipal por duas vezes, entre 2009 e 2016, pelo PSDB. Atualmente ele é o vice-prefeito do município, pelo MDB, na gestão de Lídio Ledesma (PP).

Em um comunicado que circula nas redes sociais, Zé Roberto diz estar sofrendo perseguição política e considera a votação um “julgamento”. Em relação às contas, no documento, ele diz que aconteceu uma ‘falha técnica’ e ainda pediu para que seus eleitores orem e façam jejum.

“Neste momento desafiador, quero pedir a todos nós, como uma comunidade unida, que nos unamos na próxima segunda e terça-feira, dias 11 e 12, em oração e jejum”, diz a nota.

Em 2015, os conselheiros do TCE-MS deliberaram, por unanimidade de votos e seguindo parecer do relator, pela emissão de parecer prévio contrário à aprovação das contas anuais da Prefeitura Municipal de Iguatemi, referente ao exercício de 2015, de responsabilidade do então prefeito Zé Roberto.

Na época, ele teria deixado de enviar uma relação de terrenos e prédios públicos da cidade. A votação nesta terça-feira pode levar a inelegibilidade do atual vice-prefeito do município.