A sessão desta quinta-feira (3) da Alems (Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul) foi marcada por uma intensa discussão entre os deputados estaduais Amarildo Cruz (PT) e João Henrique Catan (PL). Estava na Ordem do Dia uma moção de congratulação ao presidente da República eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A moção, sob o protocolo 3.290/2022, foi apresentada por Amarildo e é assinada ainda por Pedro Kemp (PT). Ambos parabenizam Lula pela vitória na eleição presidencial, que teve o segundo turno realizado no domingo (30).

No momento em que o vice-presidente da Alems, Neno Razuk (PL), colocou o item para votação, Catan pediu vistas – mais tempo para analisar a matéria -, o que irritou Amarildo e provocou um bate-boca.

O petista questionou Razuk se cabia vistas à moção. “Não é um requerimento, é uma moção. Gostaria que a Mesa [Diretora] se cabe vistas a moção”, frisou. Catan respondeu que a medida é permitida. “Toda proposição é um requerimento, já estudei isso”, disse.

“O senhor precisa estudar muita coisa”, retrucou Amarildo. “Nunca teve vistas em moção, ou deputado vota a favor ou contra”, complementou Kemp.

Neno pediu que o Regimento Interno fosse consultado, e há de fato previsão de que proposição dessa natureza possa ser alvo de vistas. “Segundo o artigo 213, permite o pedido de vistas. Então, está concedido”, anunciou.

Na sequência, Catan, Amarildo e Kemp voltaram a se enfrentar. “Obrigado, senhor presidente, eu estudei o Regimento. Amarildo, o senhor precisa estudar mais”, disse o parlamentar do PL, que apoiou a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Kemp rebateu dizendo que “perdedores têm que aprender a perder”. O presidente em exercício foi obrigado a pedir respeito, mas Amarildo voltou a intervir.

“Deputado, o senhor precisa estudar sobre a democracia e parar de fazer palanque”, disparou. Razuk interrompeu o petista e deu continuidade à sessão.

Eleição presidencial e protestos

Lula foi eleito com 60.345.999 votos (50,90% dos votos válidos). O atual presidente teve 58.206.354 votos (49,10% dos votos válidos).

Desde a noite de domingo, manifestantes ocuparam rodovias e vias públicas em frente a unidades militares contestando o resultado da urnas em Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e 23 estados.

Nesta quinta-feira, não há bloqueio de estradas estaduais nem federais em Mato Grosso do Sul. Mas de acordo com a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), um grupo voltou a ocupar trecho da MS-162, entre Sidrolândia e Maracaju. O trânsito, no entanto, segue livre.

Bolsonaro divulgou ontem, quarta-feira (2), vídeo pedindo mais uma vez o fim do fechamento das rodovias. “Os protestos são muito bem-vindos, fazem parte do jogo democrático. Ao longo dos anos, muito disso foi feito pelo Brasil. Agora, tem algo que não é legal, o fechamento de rodovias pelo Brasil prejudica o direito de ir e vir das pessoas”, declarou.