A Câmara de Deputados negou a prioridade para o projeto de lei nº 1.776/2015, que inclui pedofilia na lista de crimes hediondos. O pedido de urgência foi votado em sessão nesta quarta-feira (19).

Assim, a inversão da pauta para dar prioridade foi negada por 224 deputados que votaram contrário ao requerimento. Enquanto 135 parlamentares foram favoráveis à prioridade do projeto que torna pedofilia crime hediondo.

Em Mato Grosso do Sul, cinco deputados foram contrários ao requerimento. São eles: Beto Pereira (PSDB), Dagoberto Nogueira (PSDB), Dr. Luiz Ovando (PP), Loester Trutis (PL) e Tereza Cristina (PP).

Além deles, Fábio Trad (PSD) participou da votação e foi favorável à prioridade do projeto.