Política

Morre aos 74 anos o ex-deputado estadual Ary Rigo

Rigo se elegeu deputado estadual em MS durante 24 anos

Dândara Genelhú Publicado em 30/09/2021, às 14h42

Ex-deputado permaneceu em coma após sofrer queda em casa
Ex-deputado permaneceu em coma após sofrer queda em casa - Foto: Reprodução

Faleceu, na tarde desta quinta-feira (30), o ex-deputado estadual Ary Rigo, de 74 anos. Rigo estava em coma induzido após sofrer uma queda no último domingo (26).

Segundo o genro do político, Daniel Navarro, a morte foi causada por uma parada cardiorrespiratória. Rigo faleceu às 13h15 e ainda não há informações sobre o velório e sepultamento. "Ainda não tivemos a liberação pelo hospital", justificou o genro.

O político estava internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do hospital da Unimed. Nesta quinta-feira (30), amigos se despediram dele e lamentaram a perda.

“Acabo de receber a notícia que meu grande amigo Ary Rigo nos deixou… Foi um grande parlamentar... Ajudou muitos...”, publicou uma das amigas de Rigo em redes sociais. 

[Colocar ALT]
Rigo, durante trabalho na ALEMS, em 2010 (Foto: Divulgação, Alems)

Carreira política

Nascido em Passo Fundo (RS), Ary Rigo foi eleito deputado estadual de Mato Grosso do Sul por 24 anos. Sendo que dois mandatos foram pelo PDT e quatro pelo PTB. 

Exerceu o cargo na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) de 1979 até 1991, voltou como deputado em 1999 e permaneceu até 2011. Quando era o primeiro-secretário da Alems, Rigo foi pivô do escândalo de corrupção no Parque dos Poderes poucos dias antes das eleições e acabou perdendo a reeleição, que disputava pela sexta vez em 2010.

Entre os anos de 1991 e 1994, Ary Rigo também ocupou espaço no Governo de Mato Grosso do Sul, durante a gestão de Pedro Pedrossian. Nesse período, Rigo ocupou cargo de 2º Secretário de Estado e também de 3º vice-governador, cargo extinto atualmente. 

Polêmicas e investigações

Em 2017, o ex-deputado estadual Ary Rigo foi um dos implicados na Operação Uragano e na Operação Antivírus, deflagradas pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). A operação investigava contrato de informática do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito).

Os crimes investigados pela operação foram de corrupção ativa e passiva, fraude à licitação, lavagem de dinheiro, peculato e organização criminosa. Na época, um dos advogados do ex-parlamentar confirmou a prisão. 

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu, em 2014, por maioria, prover recurso do ex-deputado Ary Rigo. A Justiça Eleitoral decidiu devolver o diploma, após cassação. 

Nove anos depois, em 2019, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) arquivou o flagra em vídeo que Rigo denunciava ‘mensalão do MS’. A gravação não foi suficiente para que o Ministério ajuizasse a ação por improbidade administrativa contra beneficiários do esquema.

Jornal Midiamax