Política

Deputados se reúnem com policiais e bombeiros para debater mudanças na reestruturação das carreiras

A reunião acontece após forte reação das categorias ao projeto enviado pelo Governo do Estado

Lucas Mamédio e Dândara Genelhú Publicado em 18/11/2021, às 19h00

None
(Foto: Divulgação)

Após forte demonstração de insatisfação, os deputados estaduais estão reunidos desde às 15h da tarde desta quinta-feira (18) com representantes da polícia civil, militar e bombeiros militares, para debater mudanças na proposta de reestruturação enviada pelo Governo do Estado. Também está presente na reunião a Secretária de Estado de Administração e Desburocratização, Ana Carolina Araújo Nardes.

“O que estava polêmico era a questão do mérito intelectual dos nossos polícias que vão entrar, que estava 50/50. Ou seja, 50 vagas por antiguidade e 50 pelo mérito intelectual. A nossa proposta agora foi para 80 por antiguidade, que já é a carreira nossa. E 20 no intelectual", explicou o presidente da ACS (Associação de Cabos de Soldados de MS), cabo Mário Couto. 

"A outra situação é o interstício que é muito alto, do soldado é do Cabo. Nossa proposta foi voltar ao normal, que está hoje, soldado com seis anos sai cabo e cabo com quatro a anos” resumiu Mario Couto. Conforme o representante, foi apresentada uma proposta e "os deputados vão rever para fazer uma emenda". A emenda deve voltar para o Governo de MS e posteriormente ser debatida novamente na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul).

Os deputados não se pronunciaram, mas após receberem os militares, se reúnem com Sinpol-MS (Sindicato dos Policiais Civis), que também procuram fazer mudanças no projeto original.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) chegou a admitir, na tarde desta quinta-feira (18), que pode alterar pontos no projeto de reestruturação das carreiras dos servidores públicos estaduais. Se não ferir isso (Lei de Responsabilidade Fiscal) o Governo está aberto a dialogar e alterar algum ponto que possa aprimorar os projetos. Não só dos militares, mas também de outras categorias que tem discutido e algumas que não estão contempladas e que também continuam discutindo com o Governo do Estado", disse Reinaldo.

Insatisfação

Nesta quinta-feira (18), diretores regionais da ACS (Associação e Centro Social de Policiais Militares e Bombeiros Militares de Mato Grosso do Sul) apontaram divergências no projeto de reestruturação de carreira, apresentado pelo Governo do Estado e que é analisado na Assembleia Legislativa. Em carta, eles se posicionam contrários ao presidente da ACS, cabo Mário Couto. Situação semelhante também envolve policiais civis, que não concordam com posicionamento do sindicato que os representa. 

Conforme os diretores, a carta demonstra “total insatisfação” dos sócios da ACS sobre a reestruturação da PM e BM. No documento, são apontadas seis divergências no projeto protocolado na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul), com autoria do Poder Executivo.

Também nesta quinta (18) os deputados recebem os representantes das forças policiais e bombeiros, para ouvir deles quais os pontos as categorias questionam.

Trâmite na Assembleia

Após receber os 15 projetos de lei com reajuste linear dos servidores estaduais por parte do Governo, os deputados estaduais se reuniram na nesta quarta-feira (17) com a Secretária de Estado de Administração e Desburocratização, Ana Carolina Araujo Nardes, para que ela explique mais detalhadamente e tire algumas dúvidas dos parlamentares sobre as possíveis alterações nos textos. Todos dos deputados ou estiveram presentes na reunião ou mandaram representantes. A expectativa é que o reajuste dos servidores seja analisado e votado pelos deputados até a próxima terça-feira (23)

Jornal Midiamax