Política

'Se me trair, eu te mato': ex-chefe de gabinete denuncia Lia Nogueira à polícia por ameaças em Dourados

Vereadora admitiu que usou as frases, mas diz que foi 'em tom de brincadeira' após 'tomar umas'

Marcos Morandi Publicado em 03/08/2021, às 11h11

Vereadora Lia Nogueira (PP), na Câmara de Dourados: desentendimento com assessora e 'amiga de vários anos'
Vereadora Lia Nogueira (PP), na Câmara de Dourados: desentendimento com assessora e 'amiga de vários anos' - Valdenir Rodrigues

Logo após pedir demissão, a ex-chefe de gabinete da vereadora Lia Nogueira (PP) procurou a polícia, nesta segunda-feira (2), para denunciar a parlamentar por ameaça. O registro foi feito na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) de Dourados, a 233 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com o boletim de ocorrência, Lia, como é conhecida a vereadora Maria Imaculada Nogueira, teria chegado a falar na frente de várias pessoas que atiraria com uma pistola 9 milímetros na boca da assessora, caso desconfiasse de 'traição política'. Até os filhos da ex-servidora teriam sido abordados pela política com 'alertas' sobre risco de sequestro.

'Se me trair, eu te mato'

“Uma pessoa me perguntou se eu confio em você porque você sabe sobre toda minha vida. Respondi que, se você me trair, eu te mato”, teria dito a vereadora, conforme relato constante do boletim de ocorrência que a reportagem teve acesso. Conforme a depoente, as ameaças de Lia, mesmo que em tom de brincadeira, passaram a ser constantes.

Ao Jornal Midiamax, Lia Nogueira negou as acusações da ex-chefe de gabinete. No entanto, admitiu que até pode ter dito frases citadas no registro policial. Segundo ela, porém, 'em tom de brincadeira'.

“Tudo começou a partir de uma brincadeira que envolveu todo o grupo que estava na minha casa naquele dia, depois que a gente tomou umas e outras que ela também participou”, afirmou Lia.

No Boletim de Ocorrência, a ex-chefe de gabinete da vereadora, ainda relata episódios de suposto assédio moral no ambiente de trabalho por parte da vereadora. Lia rebate.

“Essa menina não era uma funcionária. Era uma amiga, uma irmã para mim", lamenta. Segundo a vereadora, a denúncia por ameaça seria uma armação. “Nunca usei arma e sempre fui contra o porte de arma. Nunca comprei nem arma de brinquedo para os meus filhos. Esse tipo de coisa, que ameacei colocar uma pistola 9 milímetros na boca dela não existe. Aquele negócio dos filhos dela é tudo conversa", diz.

Lia citou suposto desentendimento após a ex-funcionária do gabinete ter viajado durante o recesso parlamentar. A vereadora ainda disse que pretende registrar um boletim de ocorrência por calúnia e difamação. "Só não vou hoje porque estou com um compromisso agendado fora da cidade”.

Jornal Midiamax