Política

Tucano desiste e PSDB indica João Rocha para reeleição à presidência da Câmara

Após semanas de indefinição, o PSDB decidiu pela indicação para a reeleição à presidência da Câmara de Campo Grande. Até então, dois nomes do PSDB estavam interessados na vaga: Rocha e João Cesar Mattogrosso. Mattogrosso confirmou, ao Jornal Midiamax, que o nome do atual presidente da Casa deLeis foi o escolhido pelo partido. Com a definição, […]

Fábio Oruê Publicado em 18/12/2020, às 16h50 - Atualizado em 19/12/2020, às 08h33

Vereadores Carlão (PSB) e João Rocha (PSDB) estão na disputa pelo comando da Mesa Diretora. (Arte: Deyvid Guimarães, Jornal Midiamax).
Vereadores Carlão (PSB) e João Rocha (PSDB) estão na disputa pelo comando da Mesa Diretora. (Arte: Deyvid Guimarães, Jornal Midiamax). - Vereadores Carlão (PSB) e João Rocha (PSDB) estão na disputa pelo comando da Mesa Diretora. (Arte: Deyvid Guimarães, Jornal Midiamax).

Após semanas de indefinição, o PSDB decidiu pela indicação para a reeleição à presidência da Câmara de Campo Grande. Até então, dois nomes do PSDB estavam interessados na vaga: Rocha e João Cesar Mattogrosso.

Mattogrosso confirmou, ao Jornal Midiamax, que o nome do atual presidente da Casa deLeis foi o escolhido pelo partido. Com a definição, a eleição da Mesa Diretora será disputada entre dois candidatos. Carlão (PSB), que já tinha anunciado oficialmente sua candidatura a presidente, e João Rocha.

Segundo apuração anterior, haveria acordo dentro do partido fechado nas eleições municipais. O atual presidente seria escolhido pelo PSDB, o que de fato foi, para compor, como vice, na chapa do prefeito reeleito Marquinhos Trad (PSD). Com isso, Mattogrosso seria a indicação para a presidência da Câmara.

No caso da chapa, o atual prefeito manteve a vice-prefeita na disputa pelo segundo mandato, ao invés de indicação do tucano.

A Mesa Diretora é composta por primeiro, segundo, terceiro vice-presidentes e primeiro, segundo, terceiro secretários, além do presidente. A eleição é em 1º de janeiro, mesmo dia em que os parlamentares eleitos assumem o mandato. Para ganhar o cargo de presidente, o candidato precisa de 15 votos (maioria simples) com votação aberta.

Segundo Mattogrosso, ele deve continuar cumprindo o mandato normalmente, sem assumir secretarias.

Jornal Midiamax